Autoridades de saúde pedem a Grécia para agir rápido sobre surto de HIV

Um crescente surto de HIV na endividada Grécia poderia sair do controle, a menos que sejam tomadas medidas urgentes, informaram autoridades de saúde europeias, na sexta-feira.

KATE KELLAND, Reuters

30 de novembro de 2012 | 09h35

O Centro Europeu de Prevenção e Controle das Doenças (ECDC, em inglês) disse que as infecções causadas pelo vírus da Aids entre os usuários de drogas e outros grupos de alto risco estavam aumentando rapidamente, e que uma omissão significaria custos muito mais elevados no futuro.

O diretor da ECDC Marc Sprenger esteve em Atenas na sexta-feira visitando hospitais e acompanhando troca de seringas. Ele disse que iria falar para as autoridades que os programas de seringas e metadona gratuitos precisam ser reforçados.

"Ação combinada imediata é necessária a fim de reduzir e, eventualmente, acabar com o surto atual", disse ele à Reuters, quando o ECDC publicou um relatório sobre o problema com o HIV da Grécia.

Desde 2009, a recessão na Grécia reduziu a produção econômica em um quinto e bateu níveis recorde de desemprego.

O sistema de saúde está sob extrema pressão, tornando mais difícil para os pobres, desempregados ou sem-teto para conseguir tratamento.

O ECDC afirmou que não estava claro o quanto a crise da dívida da Grécia está contribuindo para o surto de HIV, mas estava evidentemente tendo "um significativo impacto social e à saúde". Havia temores em Atenas, de que "os serviços de tratamento de HIV atingissem um limite" por causa do salto no número de casos em 2012.

Enquanto a Grécia tem apenas 7,4 infecções por HIV por 100.000 pessoas, em comparação com 10 por 100 mil na Grã-Bretanha ou 27,3 na Estônia, as taxas subiram desde 2011 em grupos de alto risco, como usuários de drogas.

De 2007 a 2010, havia apenas de 10 a 15 casos por ano de infecção pelo HIV em usuários de drogas injetáveis.

Mas durante 2011, houve 256 casos --ou 27 por cento do total. Outros 314 casos de infecção pelo HIV por uso de drogas foram notificados entre janeiro e agosto de 2012, trazendo o total de casos de HIV para o ano até agosto para 768.

Um coquetel de remédios pode dar aos pacientes com HIV uma expectativa de vida quase normal, mas os medicamentos devem ser tomados por toda a vida, e custam de 10.000 a 22.000 euros (13.000 a 28.500 dólares) por ano.

Tudo o que sabemos sobre:
GRECIAHIVSURTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.