Barradas por sérvios, tropas da Otan voltam a quartéis em Kosovo

Região segue em tensão devido a barreiras alfandegárias imporstas por governo kosovar

Reuters

29 de julho de 2011 | 20h23

MITROVICA - Tropas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Kosovo voltaram para seus quartéis depois de serem impedidas na sexta-feira, 29, por membros de forças de etnia sérvia de chegarem até as forças de paz mobilizadas nos postos de fronteira com a Sérvia, onde atuam para conter a violência provocada por uma disputa alfandegária.

Usando caminhões, carretas, troncos e pneus, centenas de civis kosovares de origem sérvia bloquearam duas rodovias do norte de Kosovo que levam até a fronteira com a Sérvia.

Um comboio da Otan com pelo menos dois veículos blindados de transporte e vários caminhões, que levava água e comida para as tropas na fronteira, teve de recuar por volta de 15 horas (hora de Brasília) quando o comandante das forças da aliança, o general alemão Erhard Buehler, desistiu de dialogar com o negociador sérvio, Borislav Stefanovic, segundo relato de um fotógrafo da Reuters no local. "Eu tenho de fato a força para passar, e terei de passar para abastecer meus homens. Desta vez cedemos ... mas vamos ver da próxima vez", disse Buehler a jornalistas.

Os sérvios prometem manter o bloqueio rodoviário até que o governo de Kosovo, controlado pela maioria de etnia albanesa, aceite não instalar seus policiais e agentes alfandegários em postos de fronteira estratégicos. "O general Buehler tomou a decisão correta, de não usar a força. Superamos a crise aguda, mas isso não significa que tais situações não irão se repetir", disse Stefanovic à TV sérvia RTS.

A disputa teve início na segunda-feira, quando o governo kosovar enviou unidades policiais especiais a postos da fronteira - até então mantidos principalmente por agentes de etnia sérvia. O objetivo é fiscalizar a proibição de importações de produtos da Sérvia, adotada como retaliação por Belgrado ter proibido a importação de produtos de Kosovo, devido a divergências sobre regras alfandegárias.

Três dias de violência se seguiram na região, levando à morte de um policial da etnia albanesa. Nacionalistas sérvios radicais chegaram a incendiar um dos postos de fronteira, até que as forças da Otan interviessem.

Em Belgrado, o presidente da Sérvia, Boris Tadic, fez declarações sugerindo que não há um final à vista para o impasse, que preocupa gravemente os EUA e a União Europeia, e que pode complicar o processo de adesão da Sérvia à UE.

Kosovo era uma província sérvia que se tornou protetorado da ONU em 1999, quando a Otan bombardeou a então Iugoslávia durante 78 dias para coibir a repressão à etnia albanesa da região. Em 2008, Kosovo declarou sua independência, mas os 60 mil sérvios que vivem no norte da região ainda consideram Belgrado como sua capital.

Tudo o que sabemos sobre:
KosovoOtanSérviaEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.