Bascos protestam contra prisões ligadas ao ETA

Policial morto em ataque na França foi enterrado neste domingo; colega baleado está em estado grave

Agências internacionais,

02 de dezembro de 2007 | 13h04

Milhares de bascos protestaram neste domingo pela prisão de 46 pessoas que seriam supostamente ligados aos militantes da ETA. Os detidos estão entre os acusados do maior processo organizado na Espanha contra a ETA, cujo veredicto sai em alguns dias.   O protesto acontece no mesmo dia em que o policial espanhol atingido pelo grupo separatista basco na França permanece está em coma profundo e aparenta morte cerebral, um dia após o oficial e um colega terem sido atacados no sudeste da França.   Fernando Trapero, de 23 anos, foi atingido durante uma operação contra o ETA na vila francesa de Capbreton, 20 quilômetros ao sul da cidade de Biarritz. Seu colega, Raul Centeno, de 24 anos, também foi atingido e morreu na hora. As autoridades espanholas e francesas estavam engajadas em encobrir a operação que atacava supostos membros do grupo.   No sábado, o ministro do Interior, Alfredo Perez Rubalcaba disse que, aparentemente, o policial e os suspeitos se aproximaram em uma cafeteria por acaso.   O assassinato no sábado ocorreu depois de ao menos quatro atentados a bomba no norte da Espanha desde agosto, que foram atribuídos ao ETA. O grupo já matou mais de 800 pessoas em quatro décadas de luta armada pela independência dos territórios bascos do norte da Espanha e do sul da França.  

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaETA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.