Base aliada de Putin dominará Parlamento russo com folga

Os aliados do presidente da Rússia,Vladimir Putin, terão o controle total do Parlamento, mostraramos resultados da eleição de domingo, responsável por dar aolíder russo uma sólida base de apoio antes de ele deixar oKremlin. O governo respondeu às críticas de organismosinternacionais que acusaram a votação, vencida com facilidadepelo partido Rússia Unida (de Putin), de ter sido supostamenteinjusta. Segundo a liderança russa, as críticas não passavam de"slogans" sem comprovação factual. O presidente da comissão eleitoral do país, VladimirChurov, afirmou que, das 450 cadeiras do Parlamento, 315ficaram com a legenda Rússia Unida, ao passo que dois partidospróximos do Kremlin terão, juntos, outras 78 cadeiras. Putin, 55 anos, afirmou que espera continuar influindo nogoverno depois de sair do cargo de presidente, no próximo ano.A Constituição russa determina que ninguém poderá ocupar ocargo consecutivamente por mais de dois mandatos. Analistas afirmam que o controle sobre o Parlamento lhedará meios para exercer influência sem as amarras dos poderespresidenciais. Especula-se que o dirigente venha a ser eleitopresidente do órgão legislativo. O bloco pró-Putin no Parlamento a tomar posse dentro embreve será grande o suficiente para aprovar reformasconstitucionais -- algo que, segundo analistas, Putin podetentar fazer a fim de talhar, para si mesmo, um cargo comamplos poderes e o qual ocuparia após deixar o posto depresidente, no começo de 2008. Putin participou da eleição liderando a lista de candidatosdo partido Rússia Unida. O resultado confirmou a popularidadedele, alimentada pelo robusto crescimento econômico do país epor seus esforços para retomar o orgulho nacional da Rússia. No Parlamento a ser substituído, o Rússia Unida possuía 297cadeiras. Churov afirmou a repórteres que o partido nacionalista LDPRconquistou 38 cadeiras e que o Rússia Justa, outras 38 no novoParlamento. Putin pode contar com o apoio dessas duas legendas.Os comunistas, da oposição, ficaram com 57 cadeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.