Berlim e Paris pedem que imposto para transações financeiras seja pauta da UE

Em carta dirigida ao ministro de Finanças belga, Didier Reynders, os ministros alemão e francesa dizem que a criação deste imposto é "factível e necessário"

EFE

09 de julho de 2010 | 14h52

BERLIM - O ministro de Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, e sua colega francesa, Christine Lagarde, pediram nesta sexta-feira, 9, em carta conjunta à Presidência belga da União Europeia (UE) que coloque a criação de um imposto para as transações financeiras na próxima reunião informal dos ministros de Finanças (Ecofin).

 

Na carta dirigida ao ministro de Finanças belga, Didier Reynders, eles admitem que "ainda não existe um consenso" a respeito, mas estimam que a UE deve dirigir seus esforços para a criação deste imposto "factível e necessário".

 

Schäuble e Lagarde lembram que já colocaram sua proposta na reunião do G20 em Toronto (Canadá). Na reunião os dois ministros não conseguiram fazer sua iniciativa a favor de um acordo global sobre a aplicação de impostos às transações financeiras prosperar.

 

Na carta, os dois ministros ressaltam que com o imposto se conseguiria o dobro objetivo de obter transações mais transparentes e obter uma nova fonte de financiamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.