Berlusconi anuncia limitação das escutas telefônicas

Procedimento será proibido, exceto nas investigações relacionadas à máfia e ao terrorismo

Efe,

07 de junho de 2008 | 16h29

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, anunciou neste sábado, 7, um procedimento pelo qual serão proibidas as escutas telefônicas, exceto nas investigações relacionadas à máfia e ao terrorismo, e que prevê penas de cinco anos para quem as ordenar, realizar ou divulgar. Berlusconi, que discursou em uma reunião de jovens empresários na localidade italiana de Santa Margherita Ligure, no oeste da Itália, anunciou que a decisão será tomada no próximo Conselho de Ministros. "Temos a intenção de introduzir a proibição total das escutas telefônicas, excluindo as que se referem ao crime organizado, a máfia, a Ndrangheta, a Camorra ou o terrorismo", disse. Além disso, disse que, para os outros casos, será punido com "cinco anos de prisão quem as ordenar, cinco quem as realizar e cinco quem as divulgar".

Mais conteúdo sobre:
Silvio Berlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.