Berlusconi critica juízas 'feministas' por acordo de divórcio milionário

O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi criticou nesta terça-feira três juízas "feministas e comunistas" que decidiram que ele deverá pagar à sua ex-mulher 200.000 euros por dia como parte de um acordo de divórcio.

Reuters

08 de janeiro de 2013 | 21h48

Em 28 de dezembro, o jornal Corriere della Sera disse que a decisão havia sido tomada antes do Natal e que Berlusconi havia sido condenado a pagar para Veronica Lario, com quem se casou em 1990, cerca de 100.000 euros por dia.

Foi a primeira vez que Berlusconi comentou publicamente o acordo. Ele não entrou em detalhes sobre o montante e, ao citar um valor superior àquele revelado pelo jornal, não ficou claro se ela estava incluindo pagamentos vencidos desde a separação.

"Elas me mandaram pagar 200.000 por dia e isso diz muito sobre quem são as juízas de Milão", disse Berlusconi em entrevista a um programa no canal La7. "Elas são três juízas feministas e comunistas".

Berlusconi repetiu alegações anteriores de que os juízes de Milão em geral o perseguem desde que entrou para a política em 1994 porque se opõem a ele politicamente.

(Reportagem de Steve Scherer)

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIABERLUSCONICRITICA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.