Berlusconi é criticado por simular tiro em jornalista

Ao lado de Putin, premiê eleito da Itália finge que atira contra repórter após pergunta sobre vida pessoal

Efe,

18 de abril de 2008 | 21h45

A Federação Nacional de Imprensa da Itália (FNSI) classificou como "pesada" a brincadeira que o primeiro-ministro eleito Silvio Berlusconi fez nesta sexta-feira, 18, quando, com as mãos, simulou um tiro de fuzil contra uma jornalista russa que desagradou ao presidente russo, Vladimir Putin, quando lhe fez perguntas sobre sua vida pessoal. Veja também:Berlusconi recebe Putin para discutir acordos de cooperaçãoPutin nega planos de se casar com ginasta de 24 anos "Berlusconi fez sua enésima piada, brincadeiras que às vezes fazem rir e que, em outras, são menos divertidas. Sua ironia nem sempre chega a comunicar que esse é seu jeito de ser. Às vezes, as brincadeiras podem ser pesadas, sobretudo se for levado em conta que na Rússia, nos últimos dez anos, mais de 200 jornalistas foram assassinados e seus assassinos não foram encontrados", denunciou Franco Siddi, secretário-geral da FNSI. Siddi também criticou Berlusconi por ter dito a Putin, após a pergunta da jornalista da Rússia e também em tom de piada, que, se o chefe de Estado quisesse, poderia trocar os repórteres russos por italianos. As brincadeiras foram feiras durante a entrevista coletiva que Berlusconi e Putin concederam em Sardenha. Em um momento da entrevista, uma jornalista russa perguntou a Putin se ele estava se realmente divorciando para ficar a com a jovem campeã de ginástica rítmica e atual deputada Alina Kabáeva. Imediatamente, o clima da entrevista ficou tenso. Putin mudou de rosto, mas respondeu à pergunta dizendo que só responde "perguntas sérias", acrescentando em seguida que "não há nem uma palavra de verdade" (sobre sua suposta separação). Para descontrair o ambiente Berlusconi lançou mão de uma de suas brincadeiras - olhou para a jornalista russa e, com as mãos, fingiu que atirava nela com um fuzil.

Tudo o que sabemos sobre:
BerlusconiPutinItáliaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.