Berlusconi é responsável por corrupção, diz Justiça

Batalha do premiê contra seu rival Carlo de Benedetti para comprar editora Mondadori envolveu suborno de juiz

Reuters,

05 de outubro de 2009 | 10h59

O primeiro-ministro italiano, Silvo Berlusconi, foi considerado responsável por um caso de corrupção ocorrido na sua companhia Fininvest para comprar a editora Mondadori na década de 90, afirmou um juiz nesta segunda-feira, 5.

 

"Silvio Berlusconi é corresponsável no caso de corrupção, como consequência lógica do princípio de responsabilidade civil" e de ser chefe da empresa, disse o documento judicial obtido pela agência de notícias Reuters. Até o momento, Berlusconi não comentou a decisão.

 

Um tribunal administrativo de Milão decidiu que a Fininvest deve pagar 750 milhões de euros por danos à CIR, holding do rival de Berslusconi, Carlo de Benedetti, cujo jornal La Repubblica liderou a cobertura midiática da vida privada do primeiro-ministro.A Fininvest informou que tentará obter uma suspensão da ordem judicial enquanto apela da decisão.

 

Em 2007, Berlusconi havia sido eximido de responsabilidade nesse caso de corrupção. Mas seu ex-advogado, Cesare Previti, foi condenado por subornar um juiz em 1991 para que decidisse a favor da Fininvest na batalha contra a CIR.

 

Os apoiadores de Berlusconi falaram em um "ataque concêntrico" contra o primeiro-ministro, afirmando que a decisão judicial contra a Fininvest era a gota que faltava, e alguns ameaçaram convocar eleições antecipadas caso tais ataques continuem.

 

Pressão

 

O primeiro-ministro, de 73 anos, atualmente em seu terceiro mandato, está sob crescente pressão pelos escândalos sexuais em que se viu envolvido. Os críticos também se queixam da forma como a liberdade de imprensa italiana foi asfixiada por meio do controle que Berlusconi exerce na Mediaset, sua influência sobre a televisão estatal RAI e jornais regionais e os processos que moveu contra jornais nacionais e estrangeiros.

 

Nesta semana, um tribunal constitucional deverá decidir sobre uma lei aprovada no ano passado que garante imunidade a Berlusconi. Esta lei já o protegeu em fevereiro deste ano, quando o advogado inglês David Mills foi condenado por receber 600 mil dólares em 1997 por dar falso testemunho para proteger Berlusconi e a Fininvest.

 

Segundo analistas, o mercado de ações tem acompanhado rumores de que a Fininvest possa vender parte de seu patrimônio para pagar pelos danos ou buscar mais recursos na Mediaset e na Mondadori.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.