Reuters
Reuters

Berlusconi liberará 1 bi de euros para região afetada por chuvas

Premiê disse "ter previsto" desastres, mas chuvas foram muito "mais intesas do que o esperado"

Reuters,

04 de outubro de 2009 | 13h30

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, disse neste domingo, 4, que vai liberar uma ajuda de 1 bilhão de euros (pouco menos de US$ 1,5 bilhão) para as áreas ameaçadas por deslizamentos de terra, após fortes chuvas atingirem a Sicília e deixarem pelo menos 22 mortos.

 

Berluconi sobrevoou a região de Messina, onde casas foram soterradas e estradas ficaram submersas por conta das tempestades da última semana. O número de mortos ainda deve subir, já que 40 pessoas estão desaparecidas, enquanto mais de 500 tiveram de deixar suas casas.

 

"Nós pudemos prever o desastre e demos o alerta, mas as chuvas foram ainda mais intensas do que estávamos esperando. Foi uma situação excepcional", disse Berlusconi.

O premiê afirmou que deve preparar uma ajuda de 1 bilhão de euros para as áreas afetadas por inundações e deslizamentos de terra, começando com Messina, onde 63% do território apresenta um grande "risco hidrogeológico". A verba seria usada para medidas de proteção como o reforço das estruturas dos locais ameaçados.

 

O chefe do serviço de resgate, Guido Bertolaso, e oficiais locais responsabilizaram as fracas estruturas das casas pelos desabamentos, argumentando que algumas dels foram construídas muito próximas de rios em uma área atingida por deslizamentos há menos de dois anos.

 

Mas o prefeito de um dos povoados atingidos, Mario Briguglio, disse ao jornal La Stampa que escreveu duas vezes aos premiê no ano passado pedido fundos para a região. "Nada aconteceu: dos 20 milhões de euros que nós pedimos depois de 2007, apenas 500 mil vieram. E isso foi suficiente para pagar apenas as empresas que limparam a lama daqui", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
BerlusconiItáliachuvasMessina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.