Berlusconi recua em lei com regras contra imigração

Após críticas das ONU e do Vaticano, premiê italiano volta atrás no projeto que tornava crime a imigração ilegal

Reuters,

03 de junho de 2008 | 19h50

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, recuou nesta terça-feira, 3, no polêmico projeto que punia a imigração ilegal com prisão, o que provocou críticas inclusive das Nações Unidas e do Vaticano. A proposta do novo gabinete conservador foi apresentada no mês passado. Críticos dizem que ela estimula a xenofobia e o racismo. O governo afirma que o objetivo é combater a criminalidade.   Veja também: Itália terá medidas especiais para combater 'emergência cigana'Uma das medidas mais polêmicas, ainda por tramitar no Parlamento, estabelece que a imigração ilegal é um crime punível com quatro anos de cadeia. Nesta terça, Berlusconi disse que as pessoas não devem ser processadas apenas por estarem em situação irregular, mas que isso seria visto como agravante em caso de crime. Em entrevista coletiva ao lado do presidente da França, Nicolas Sarkozy, Berlusconi disse: "Pessoalmente, não acho que se possa processar alguém por sua presença ilegal em nosso país."  O governo também propõe confiscar apartamentos alugados a imigrantes ilegais, acelerar os processos de expulsão e prorrogar o período em que essas pessoas podem passar em centros de detenção.  

Mais conteúdo sobre:
Itáliaimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.