Berlusconi retira 'beldades' das listas candidatas italianas

Mulher do premiê reclama de lançamento de atrizes e modelos na política; candidaturas seriam 'vergonha'

Agências internacionais,

30 de abril de 2009 | 07h24

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, decidiu retirar à grande maioria das "beldades" que queria incluir nas listas de candidatas de seu partido, o conservador Povo da Liberdade (PDL), às próximas eleições europeias. A informação foi publicada nesta quinta-feira, 30, pelos diários italianos La Stampa e La Repubblica, que afirmam que Berlusconi ligou na noite de quarta-feira para alguns membros de seu partido para pedir que as "beldades" fossem retiradas das listas.

 

Segundo as publicações, o premiê italiano adotou essa medida após as fortes críticas de sua esposa, Verónica Lario, veiculadas na imprensa local esta semana. Segundo os dois jornais, a retirada das "beldades" das listas aconteceu porque Veronica assegurou que a candidatura de mulheres belas às eleições europeias era uma "vergonha".

 

O jornal La Stampa diz que das 25 belas jovens que em princípio estariam nas listas do PDL às eleições europeias, que acontecem na Itália em 6 e 7 de junho, agora só restam três: Lara Comi, Licia Ronzulli e Barbara Matera. Lara Comi e Licia Ronzulli são jovens com estudo universitário e que desempenham uma carreira fora dos palcos e da TV, por isso a única candidata do PDL às eleições europeias exclusivamente do mundo do espetáculo deve ser a atriz Barbara Matera.

 

O primeiro-ministro assegurou que essas críticas de sua esposa são fruto de uma manobra da "imprensa de esquerda e da oposição" de seu país. Na terça-feira, a primeira-dama enviou um comunicado à agência Ansa, condenando a suposta intenção do partido de lançar beldades na campanha. Ela disse que esse ato ofenderia ela, seus filhos e as mulheres em geral.

 

Veronica, também uma ex-atriz, é a segunda mulher de Berlusconi e tem três filhos com ele. Uma porta-voz do partido disse que a confusão começou após algumas mulheres comparecerem a um curso de política ministrado pelo Partido da Liberdade em Roma, com a presença de Berlusconi entre os professores.

 

Berlusconi já enfrentou críticas em casa por flertar com mulheres e por nomear em sua equipe estrelas femininas, entre elas uma ministra. Dois anos atrás, Veronica recebeu um pedido de desculpas público rapidamente, quando escreveu em um papel reclamando de um cumprimento dele à estrela da televisão Mara Carfagna, atualmente ministra das Oportunidade Iguais.

Tudo o que sabemos sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.