Reuters
Reuters

'Berlusconi sabia que convidadas eram prostitutas'

Declaração foi dada por Patrizia D'Addario, centro das investigações sobre os escândalos do premiê

Reuters e Efe,

02 de outubro de 2009 | 13h12

Em entrevista transmitida pela televisão pública italiana, a prostituta de luxo que assegura haver passado uma noite com o premiê Silvio Berlusconi, Patrizia D'Addario, afirmou que ele sabia que ela era uma garota de programa quando participou de suas festas, algo que o premiê negou no passado ao assegurar que pensava que era conhecida de um de seus convidados.

 

"Claramente ele sabia que eu era uma acompanhante", afirmou Patrizia em sua primeira entrevista para um meio italiano. O programa foi seguido por uma média de sete milhões de telespectadores. A entrevista é o mais novo episódio dessa já problemática relação entre Berlusconi e alguns veículos de comunicação italianos e estrangeiros, depois que o político anunciou processos pelo tratamento dado às informações sobre sua vida privada.

 

Berlusconi, de 73 anos, nega ter passado a noite com Patrizia, de 42 anos. Porém, a acompanhante negou ainda que o premiê desconhecia que ela ou qualquer outra mulher que tenha participado de suas festas fossem prostitutas de luxo.

 

O premiê se mostrou "indignado" com a informação. Berlusconi assinalou o mal-estar a seus colaboradores, segundo disseram os meios de comunicação italianos, que afirmaram que o líder cancelou seu compromisso na residência do embaixador alemão em Roma por ocasião do 20º aniversário da queda do Muro de Berlim, para acompanhar a entrevista junto a seu advogado Niccolo Gheddini.

 

Il Giornale, jornal de propriedade da família Berlusconi, acusou o programa de TB de "contar mentiras" e receber prostitutas para atacar o primeiro-ministro.

 

No fim de setembro o empresário Gianpaolo Tarantini, organizador das festas do premiê italiano, foi preso por tráfico de drogas e exploração da prostituição. O empresário, detido em Bari, no sul do país, disse que pagou a mulheres, incluindo pelo menos uma prostituta, para participar de festas com Berlusconi. Segundo ele, o primeiro-ministro nunca soube do arranjo com as mulheres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.