Salvatore Laporta/AP
Salvatore Laporta/AP

Berlusconi sofre com dores e segue internado na Itália

'Mantê-lo em repouso será um trabalho titânico. Teríamos que amarrá-lo à cadeira', diz porta-voz

estadao.com.br,

16 de dezembro de 2009 | 08h49

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, sofreu mais dores durante a noite e conversou por telefone com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse hoje um porta-voz do chefe de governo italiano.

Veja também:

video Vídeo do Youtube mostra momento exato da agressão 

Paolo Bonaiuti, o porta-voz, disse que as dores sentidas por Berlusconi pela agressão sofrida no domingo aumentaram durante a noite e que ele também sentiu o incômodo de um antigo problema no pescoço.

"Ele passou uma noite mais agitada que as anteriores, já que aumentaram as dores em todo o pescoço devido ao forte golpe", acrescentou Bonaiuti.

O porta-voz disse que não será fácil manter Berlusconi em duas semanas de total repouso, como pediram os médicos. "O premiê é uma máquina de trabalho, um vulcão que se acende às 7 da manhã e se apaga às 2 da madrugada. Pensar em obrigá-lo a ficar tranquilo é um trabalho titânico, teríamos que amarrá-lo à cadeira", disse.

Berlusconi teve o nariz e dois dentes quebrados no domingo, quando um homem o golpeou no rosto com uma estatueta da Catedral de Milão.

Funcionários do hospital milanês San Raffaele disse que Berlusconi deve ter alta hospitalar ainda hoje.

Segundo Bonaiuti, em um telefonema na noite de ontem, Barack Obama desejou a Berlusconi que se recupere rapidamente.

Com informações da Efe e da AE

Tudo o que sabemos sobre:
BerlusconiagressãoItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.