via Reuters
via Reuters

Bielo-Rússia tem mais um dia de protestos contra Alexander Lukashenko

Pelo menos 100 manifestantes foram detidos pelas autoridades locais; testemunhas relatam repressão violenta por parte das forças de segurança

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2020 | 19h34

MINSK - Manifestantes foram às ruas novamente em Minsk, capital da Bielo-Rússia, neste domingo, 6, no quarto fim de semana seguido de protestos contra a reeleição do presidente Alexander Lukashenko. Apesar da chuva, estima-se que o número de participantes chegou perto dos cem mil.

No poder há 26 anos, Lukashenko tem enfrentado protestos desde as controversas eleições presidenciais realizadas no país em 9 de agosto. Ele afirma ter sido reeleito com 80% dos votos, o que é contestado pela oposição, que alega ter ocorrido fraude.

Neste domingo, autoridades colocaram arame farpado nas ruas e mobilizaram veículos militares, vans de prisioneiros, canhões de água, policiais de choque com capacete e outros agentes à paisana com máscaras e cassetetes para tentar conter as manifestações. Ruas foram bloqueadas e estações de metrô foram fechadas.

Pelo menos 100 pessoas foram detidas, informou a agência russa Interfax, de acordo com o Ministério do Interior da Bielo-Rússia. Outras fontes dizem que os números são ainda maiores: segundo a ONG de direitos humanos Viasna, foram cerca de 250 presos no país, dos quais cerca de 170 na capital. O grupo Spring-96 também afirma que o número de manifestantes detidos passa de 200.

Imagens do veículo bielorusso TUT.BY mostraram um homem mascarado espancando um manifestante enquanto ele estava deitado no chão. Policiais à paisana foram vistos quebrando a porta de vidro de um café para atingir participantes do protesto que se abrigavam lá dentro. Segundo a imprensa local, algumas pessoas chegaram a pular no rio Svislach para fugir da polícia.

Segundo testemunhas, o tratamento mais duro dispensado aos manifestantes pareceu marcar uma escalada por parte das autoridades após semanas de reação moderada, embora a violência não tenha sido tão generalizada e indiscriminada como nos primeiros dias de protestos.

O ministro do Interior, Yuri Karayev, defendeu as ações das forças de segurança. “Eles falam sobre a brutalidade da polícia bielorrussa e eu quero dizer o seguinte: não há policiais mais humanos, contidos e frios em nenhum lugar do mundo”, afirmou o ministro à agência oficial de notícias Belta.

Também foram registrados protestos menores em Brest, uma cidade no oeste na fronteira com a Polônia; Grodno, no noroeste; Gomel, no sudeste, próxima à Rússia; e várias outras cidades.

O número de manifestantes em Minsk e em outros lugares deu peso a uma afirmação de Svetlana Tikhanovskaya, principal rival de Lukashenko na eleição de 9 de agosto, que disse que "é impossível forçar o povo a recuar" e que o movimento "chegou a um ponto sem volta".

Nos últimos dias, Lukashenko procurou obter o apoio do presidente russo Vladimir Putin, com quem sempre manteve relações difíceis. Putin anunciou no final do mês passado que havia formado uma força de segurança pronta para agir na Bielo-Rússia se "a situação sair do controle"./EFE, NYT e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.