Justin Lane/Efe
Justin Lane/Efe

Bilionário será rival de Putin na disputa pela presidência da Rússia

Mikhail Prokhorov, dono de equipe da NBA, se diz 'defensor dos interesses da classe média'

Reuters

12 de dezembro de 2011 | 17h02

MOSCOU - O bilionário Mikhail Prokhorov anunciou nesta segunda-feira, 12, sua intenção de concorrer a presidente da Rússia na eleição de março, semanas depois de romper com o Kremlin na disputa pela liderança de um pequeno partido de defesa da iniciativa privada.

O primeiro-ministro Vladimir Putin é o franco favorito na eleição presidencial de 4 de março, apesar dos crescentes sinais de descontentamento popular com a sua hegemonia - refletida nos protestos populares contra supostas fraudes no pleito parlamentar deste mês.

Prokhorov, de 46 anos, atua no setor metalúrgico e é dono do time americano de basquete New Jersey Nets. Analistas dizem que ele não tem chance de vitória na eleição, e que sua presença na disputa será útil para Putin, que assim poderá responder aos críticos que o acusam de impedir o surgimento de um partido ou líder que represente a classe média.

Em entrevista coletiva para anunciar a candidatura, Prokhorov queixou-se de que "o Kremlin chutou a mim e aos meus apoiadores do Partido da Causa Justa (...), mas não é dos meus princípios parar na metade".

O empresário, presidente da empresa Polyus Gold, maior produtora de ouro da Rússia, disse que seus partidários começaram a se organizar para recolher as mais de 2 milhões de assinaturas necessárias para formalizar a candidatura.

Dmitri Peskov, porta-voz de Putin, disse que o primeiro-ministro soube dos planos de Prokhorov, mas não o considera um rival sério. A revista Forbes estima que Prokhorov tenha uma fortuna de US$ 18 bilhões, que faz dele a terceira pessoa mais rica do país.

Na entrevista coletiva, Prokhorov descreveu-se como "um defensor dos interesses da classe media", e prometeu que, independentemente do resultado da eleição presidencial, criará um partido para si.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.