Frank Augstein / AP
Frank Augstein / AP

Boris Johnson defende acordo para Brexit, sem dispositivo para fronteiras irlandesas

Pouco antes de encontro do G-7, primeiro-ministro britânico criticou opção de regime aduaneiro único em caso de impasse entre Irlanda e Irlanda do Norte

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2019 | 12h16

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, declarou neste sábado (24) que a União Europeia deve abrir mão do mecanismo para a fronteira irlandesa (backstop) previsto no acordo de Brexit, se quiser evitar uma saída sem acordo do Reino Unido. A declaração foi dada pouco antes da chegada de Johnson à cúpula do G-7.

"Eu não quero que não haja acordo. Eu digo aos nossos amigos na UE que se eles não querem um Brexit sem acordo, então devem abandonar o backstop (mecanismo de segurança) do tratado", disse o primeiro-ministro à imprensa, pouco antes de pousar na França para a cúpula do G-7.

 

 

Um dos principais pontos de desacordo entre Londres e Bruxelas é o dispositivo previsto no tratado de Brexit para a fronteira irlandesa, entre a Irlanda do Norte -parte da ilha que faz parte do Reino Unido- e a República da Irlanda, que é membro da UE.

O texto prevê que, na ausência de uma solução após um período de transição, e para evitar o regresso de uma fronteira entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda, todo o Reino Unido permanecerá num "território aduaneiro único" com a UE. Boris Johnson defende que este dispositivo mina a "soberania do Estado britânico" e impede uma política comercial independente das regras da UE.

"Se Donald Tusk (presidente do Conselho Europeu) não quiser permanecer como o Sr. No Deal Brexit, deve ter isso em mente", disse o primeiro-ministro britânico. 

"A UE sempre esteve pronta para a cooperação", garantiu pouco antes Tusk, também presente em Biarritz para o G-7, enquanto se aproxima a data oficial do Brexit de 31 de outubro, sem perspectivas reais de acordo. Tusk também declarou que "espera que o primeiro-ministro Johnson não queira entrar para a história como o Sr. No Deal". 

Na última quinta-feira, 22, ao receber Boris Johnson em Paris, o presidente francês Emmanuel Macron foi firme na questão irlandesa, dizendo que o tratado negociado fornece "garantias essenciais para a preservação da estabilidade na Irlanda para a integridade do mercado único". / AFP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.