Brasil e Rússia buscam ampliar comércio e investimentos

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, fez um apelo por laços comerciais e de investimento mais próximos com a Rússia nesta sexta-feira, dizendo que os dois países do BRIC deveriam usar suas próprias moedas no comércio, e não o dólar.

REUTERS

14 Maio 2010 | 09h54

"De 2002 a 2008, o comércio entre a Rússia e o Brasil cresceu cinco vezes", disse Lula em um discurso realizado em um fórum comercial durante sua visita à Rússia.

"Mas isso não é o suficiente. Precisamos realizar um salto quantitativo... e definir novas áreas de parceria, como energia, infraestrutura e exploração espacial."

Lula disse que o primeiro passo seria que a Rússia e o Brasil comercializassem em suas próprias moedas ao invés de utilizar dólares ou euros.

"Não podemos... fazer negócios em outra moeda sobre a qual não temos controle e que não produzimos", disse ele.

"Esse é o desafio para o Brasil e para a Rússia, o desafio para o Brasil e os BRICs e o desafio para a nova lógica comercial do século 21."

Lula então se reuniu com o presidente Dmitry Medvedev no Kremlin, a segunda reunião entre os dois líderes em menos de um mês, depois que Medvedev participou da cúpula das nações dos BRICs - Brasil, Rússia, Índia e China -- em abril em Brasília.

Lula está fazendo sua quarta visita a Moscou, uma indicação da importância associada por ambas as nações ao desenvolvimento de novas relações que refletem o crescente poder econômico e político dos países do BRIC.

Lula e Medvedev também devem assinar um acordo de parceria estratégica que irá mapear a trajetória de desenvolvimento da relação entre os dois países, disse o Kremlin.

O pacto faz um apelo para uma cooperação maior em energia --através da qual a Rússia está oferecendo tecnologia de energia nuclear e de liquefação de gás ao Brasil-- e em áreas de alta tecnologia como exploração espacial e construção de aviões, disseram autoridades de ambos os países.

A gigante russa de gás natural Gazprom pretende abrir um escritório no Rio de Janeiro neste ano como parte dessa iniciativa, disse o Kremlin.

A Rússia e o Brasil são ambos grandes nações de commodities, com a Rússia entre os maiores produtores de energia e metais e o Brasil forte nas exportações de produtos agrícolas, minério de ferro, carros e maquinaria.

O comércio entre os dois gigantes dos BRICs cresceu 6,8 bilhões de dólares em 2008, mas caiu para 4,6 bilhões de dólares no ano seguinte devido à crise financeira mundial, disse o Kremlin. Lula disse estar confiante de que o comércio entre Brasil e Rússia poderia superar 10 bilhões de dólares neste ano.

Mais conteúdo sobre:
RUSSIA COMERCIO LULA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.