Brasileiro está entre os 153 mortos em acidente na Espanha

Itamaraty foi comunicado sobre a morte Ronaldo Gomes da Silva por autoridades espanholas, sem mais detalhes

Rosana de Cassia e Nélia Marques, O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2008 | 10h57

O Ministério das Relações Exteriores informou na manhã desta quinta-feira, 21, que um dos mortos no acidente aéreo de Madri era brasileiro. De acordo com o Itamaraty, autoridades espanholas comunicaram à Embaixada brasileira em Madri que um dos mortos foi identificado como o brasileiro Ronaldo Gomes da Silva, de 28 anos.  O tio do brasileiro, Bento Lopes de Brito, confirmou à Globonews que Ronaldo estava em lua-de-mel com a mulher, a alemã Yanina Celisdibowsky, de 21 anos, que também morreu no acidente.  Veja também:Brasileiro morto conheceria família da mulher nas Ilhas CanáriasAvião teve superaquecimento na 1ª decolagem, diz SpanairAeronaves MD-80 têm histórico de acidentesAvião deu 'sacudida brutal', diz sobrevivente Lista de vítimas divulgada pela companhiaAssista ao vídeo Especial: Como foi o acidente na EspanhaLivio Oricchio, repórter do Estado em Madri: cenário era de uma guerra  Especialista em aviação diz que o modelo do avião da Spanair já está obsoleto  Maior acidente aéreo matou 583 na Espanha A chancelaria não dispõe de mais detalhes. O Itamaraty e a Embaixada do Brasil em Madri tomarão as providências cabíveis. Ronaldo era um dos 172 passageiros que embarcou no vôo da Spanair para Las Palmas, nas Ilhas Canárias, que sofreu um acidente no aeroporto de Barajas. Somente 19 pessoas sobreviveram. Segundo a imprensa local, entre as vítimas fatais estavam um italiano, cinco alemães, dois franceses, um búlgaro, um gambiano, um indonésio, um mauritano e um turco.  O tio afirmou que Ronaldo viajou para a Espanha depois de se casar no Brasil. Brito confirmou que o sobrinho era da cidade de Urilândia do Norte, no Pará, e morava em Londres há cerca de cinco anos. Segundo o tio, o irmão da vítima irá de Londres para Madri, para acompanhar os procedimentos necessários. A causa do acidente ainda é desconhecida e peritos investigam a tragédia. Segundo a companhia aérea, o piloto do MD-82 da empresa reportou inicialmente um problema com um dispositivo de temperatura na parte externa da aeronave. Isso fez com que o vôo sofresse atraso de uma hora até a reparação do problema. Nesta quinta, a Spanair informou que o aparelho sofreu superaquecimento numa válvula de entrada de ar antes de uma primeira tentativa de decolagem ter sido abortada na quarta-feira, mas não ficou claro se o problema teria relação com o desastre. Javier Mendoza, porta-voz da companhia, disse que o dispositivo, posicionado no bico do avião, sob a cabine de comando, estava superaquecido e que os técnicos o desconectaram para corrigir o problema. De acordo com ele, trata-se de procedimento habitual. Os técnicos da Spanair declararam o avião apto para voar depois de reparar o problema, mas o avião caiu no final da pista durante a segunda tentativa de decolagem. A aeronave pegou fogo e foi quase totalmente destruída. O papa Bento XVI declarou-se "profundamente triste" com a queda de um avião na qual 153 pessoas morreram na Espanha e disse que está rezando pela alma das vítimas. O pontífice enviou uma mensagem de condolências ao arcebispo de Madri para manifestar sua "conexão espiritual" com as famílias das vítimas e para desejar a rápida e total recuperação das 19 pessoas que sobreviveram à tragédia, algumas delas gravemente feridas. Na mensagem enviada nesta quinta-feira, o papa manifesta suas "sentidas condolências pelo terrível acidente".  (Com Associated Press e Ansa) Matéria atualizada às 12h25.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilEspanhaacidente aéreo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.