Britânicos planejaram ataques maiores que de 2005 em Londres, diz promotor

Três britânicos planejaram realizar atentados suicidas que poderiam ter sido mais devastadores do que os ataques de 7 de julho de 2005 em Londres, disse um promotor a uma corte nesta segunda-feira.

ALESSANDRA PRENTICE, Reuters

22 de outubro de 2012 | 11h54

Cinquenta e uma pessoas morreram e mais de 700 ficaram feridas em atentados suicidas coordenados em trens do metrô e um ônibus cometidos por quatro militantes islâmicos britânicos nos chamados ataques de 7/7 em Londres.

Irfan Naseer, de 31 anos, Irfan Khalid e Ashik Ali, ambos de 27, são acusados de serem figuras centrais da trama para um ataque de proporção ainda maior, de acordo com o promotor do caso que está sendo julgado na corte Woolwich Crown.

"A polícia impediu com sucesso um plano para cometer um ato ou atos de terrorismo em escala potencialmente maiores do que os atentados de Londres em julho de 2005 se tivesse seguido adiante", disse o promotor Brian Altman.

"Os acusados estavam propondo detonar até oito bombas em mochilas em um ataque suicida e/ou detonar bombas com temporizadores em áreas lotadas, a fim de provocar mortes e vítimas em grande número."

"Um deles até descreveu um plano para causar outro 11/9", acrescentou Altman, referindo-se aos ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.

Todos os homens, da cidade de Birmingham, no centro da Inglaterra, são acusados de terem agido em conduta de preparação de atos terroristas, o que eles negam.

Naseer é acusado de cinco crimes, Khalid de quatro, e Ali de três, todos entre o dia de Natal de 2010 e setembro de 2011. Nasser e Khalid também são acusados de viajar ao Paquistão para treinamento em terrorismo.

(Reportagem de Alessandra Prentice)

Tudo o que sabemos sobre:
GRABRETANHAATENTADOPLANEJAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.