Brown anuncia endurecimento de medidas de imigração

Exclusividade de britânicos para algumas profissões é um dos pontos recrudescidos

estadao.com.br,

12 Novembro 2009 | 15h45

O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, anunciou nesta quinta-feira, 12, um endurecimento nas leis de imigração que prevê uma redução do número de profissões para as quais poderão ser contratados cidadãos europeus, segundo a agência AFP.

 

Em seu primeiro grande discurso sobre imigração desde que assumiu o cargo, em junho de 2007, Brown prometeu recrudescer os critérios do sistema de pontes vigente na atualidade, que permite que imigrantes possam trabalhar no Reino Unido.

 

Segundo o premiê, a imigração não deveria ser um tabu deixado de lado pelos grandes partidos, e aqueles que se preocupam com o tema não devem ser chamados de racistas.

 

Brown defendeu o sistema de pontos, vigente desde o início de 2008, que determina quais cidadãos de países membros do Espaço Econômico Europeu (os 27 membros da União Europeia, a Islândia, Luxemburgo e a Noruega) podem imigrar ao Reino Unido e em quais condições. O sistema ajudou a reduzir em 44% a imigração em 2008, acrescentou o premiê.

 

O primeiro-ministro anunciou que várias profissões (médicos especialistas, engenheiros civis ou aeronáuticos, oficiais da marinha mercante) serão retirados da lista dos que podem ser contratados por empregadores britânicos para suprir a escassez local.

 

A lista será reduzida a partir de 2010, segundo Brown. O período que uma vaga de emprego é oferecida prioritariamente aos britânicos passará de duas para quatro semanas, acrescentou o premiê, explicando que essas adaptações manterão a "flexibilidade" do sistema.

 

Na ocasião, Brown não deixou de criticar os conservadores, favoritos a vencer as eleições. O premiê britânico disparou contra a proposta da oposição de criar uma cota anual de imigrantes, o que considerou "inflexível e arbitrário".

Mais conteúdo sobre:
Reino Unido Brown emprego imigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.