Brown diz que vítimas têm tratamento 'desumano' em Mianmar

Premiê britânico lamenta que o desastre tenha se tornado "uma catástrofe provocada pelo homem"

EFE,

17 de maio de 2008 | 06h45

O primeiro-ministro do Reino Unido, o trabalhista Gordon Brown, acusou neste sábado, 17, a Junta Militar que governa Mianmar (antiga Birmânia) de dar um tratamento "desumano" às vítimas do ciclone "Nargis", que devastou parte do país no último dia 3. "Isto é desumano. Nós estamos diante de uma situação intolerável causada por um desastre natural", declarou Brown à BBC.   Veja também:   Número de mortos por ciclone chega a 78 mil   Nova tempestade agrava drama dos sobreviventes   ONU tenta impedir que pais vendam seus filhos em Mianmar   O premiê britânico lamentou que o desastre tenha se transformado em "uma catástrofe provocada pelo homem devido ao tratamento negligente e desumano dado ao povo birmanês por um regime que não faz nada e não permite que a comunidade internacional faça".Segundo o líder trabalhista, "a responsabilidade recai no regime birmanês e é ele quem deve prestar contas" da tragédia.   A Junta Militar afirma que 78 mil pessoas morreram na passagem do ciclone, mas a Cruz Vermelha aumenta esse número para 128 mil e a ONU para 100 mil. As Nações Unidas tentam convencer o governo de Mianmar a mudar de atitude diante das críticas internacionais a sua inadequada operação de ajuda aos milhões de desabrigados do ciclone Nargis.   A distribuição de ajuda internacional foi obstaculizada pelas restrições impostas pela Junta Militar que governa o país há mais de quatro décadas, que também limitou o número de vistos outorgados aos voluntários estrangeiros. O Reino Unido doou até o momento 17 milhões de libras (21,25 milhões de euros) em ajuda humanitária para as vítimas do ciclone.

Tudo o que sabemos sobre:
ciclone NargisMianmarReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.