Brown e líder conservador discutem em sessão do Parlamento

Premiê britânico e David Cameron trocam acusações por rejeitar a convocação antecipada de eleições

Efe,

10 de outubro de 2007 | 13h59

O líder do Partido Conservador britânico, David Cameron, acusou nesta quarta-feira, 10, o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, de falsidade e de perder autoridade moral após não antecipar as eleições gerais, em uma acalorada sessão parlamentar. Os dois trocaram acusações sobre o conteúdo dos seus programas políticos e a polêmica pelo pleito adiado. Na rodada de perguntas ao primeiro-ministro na Câmara dos Comuns, Brown e Cameron se envolveram em um intenso debate. O conservador acusou o chefe do governo de tratar os britânicos como "tolos" ao rejeitar a convocação antecipada de eleições quando as pesquisas sobre intenções de voto mostravam uma vantagem do seu partido sobre os trabalhistas. "A grande pergunta esta semana é: podemos acreditar no que ele diz? Comecemos com a queda de credibilidade pelas eleições", questionou o líder conservador. Até a sexta-feira, tudo indicava que Brown estava disposto a anunciar a realização de eleições gerais para o fim do ano. Mas, no sábado, o primeiro-ministro disse em entrevista à rede BBC que não convocaria os britânicos às urnas mais cedo. A mudança de postura foi aproveitada pelos partidos da oposição, especialmente os conservadores, para criticar Brown, acusado de ter tomado a atitude por temer uma derrota. Na sessão desta quarta, Cameron também acusou o governo trabalhista de plagiar as políticas dos conservadores. Na apresentação de terça do orçamento preliminar do governo, pelo ministro das Finanças, Alistair Darling, foram divulgadas uma série de modificações em matéria fiscal muito parecidas com as anunciadas há poucos dias pelo partido conservador. "Na semana passada, ele perdeu a autoridade política. Esta semana, está perdendo a autoridade moral", afirmou Cameron sobre Brown. A agressividade verbal do líder conservador obrigou Brown a aumentar o tom de voz, como ainda não tinha sido visto na Câmara, e defender várias vezes as políticas trabalhistas em matéria de educação, saúde e no terreno econômico. Nas diferentes pesquisas sobre intenções de voto publicadas no fim de semana, os conservadores superavam os trabalhistas pela primeira vez em vários meses.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoGordon Brown

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.