Brown não deve esfriar relações com EUA na 1a reunião com Bush

O novo primeiro-ministro britânico,Gordon Brown, não deve concretizar o especulado resfriamentodas relações com os EUA na sua primeira reunião com opresidente George W. Bush na semana que vem -- mas vai fazer detudo para não ser visto como o "poodle dos EUA." O conteúdo de discursos proferidos por dois ministros deBrown foram interpretados por analistas como evidência de que ogoverno britânico pretende se afastar politicamente dos EstadosUnidos, coisa que Brown nega veementemente. Brown e Bush vão reforçar, em Camp David, que o"relacionamento especial" entre Grã-Bretanha e Londres, mas éimprovável que o reservado Brown repita com Bush as relaçõespróximas que eram mantidas por seu antecessor, Tony Blair. "Eles vão dizer que os EUA são nosso maior aliado, que écrucial que tenhamos boas relações. Mas esperem umrelacionamento de trabalho, e não uma química pessoal", disse oprofessor de política John Curtice, da UniversidadeStrathclyde. O secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, DavidMiliband, realizará reuniões paralelas com a secretária deEstado dos EUA, Condoleezza Rice, e também descartou oresfriamento das relações, afirmando que Londres precisa mantera parceria com os norte-americanos. "Não há um único integrante do governo que sejaantiamericano", disse ele à Reuters numa entrevista no vôo devolta de Islamabad para Londres. A agenda das negociações entre Bush e Brown deve incluirassuntos como o aquecimento global, as negociações de livrecomércio, Darfur, Iraque, Kosovo, Afeganistão, Rússia e Irã,disse o porta-voz de Brown. O britânico já disse que não haveráretirada imediata das tropas britânicas do Iraque, como queremalguns integrantes do Partido Trabalhista. A proximidade entre Bush e Blair aumentou depois dosataques de 11 de setembro de 2001 contra os EUA, e com adecisão conjunta de invadir o Iraque. Mas a situação no Iraqueacabou contribuindo para a queda de Blair, depois de dez anosno poder. A imprensa britânica costumava chamar Blair de o "poodle deBush", descrição da qual Brown quer ficar bem longe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.