Caças turcos atacam rebeldes no norte do Iraque

Aviões turcos bombardearamalvos da guerrilha curda no norte do Iraque na quarta-feira,afirmou a Turquia, na quarta operação em território iraquianonos últimos cinco dias. A Turquia, que é membro da Organização do Tratado doAtlântico Norte (Otan), diz que tem direito, pela leiinternacional, de atacar rebeldes do Partido dos Trabalhadoresdo Curdistão (PKK) que se refugiam no norte do Iraque. Osrebeldes mataram dezenas de soldados na Turquia nos últimosmeses. O PKK foi proibido na Turquia. O Exército turco disse que as operações no norte do Iraquevão continuar. A tensão na região ajudou a elevar o preço dopetróleo para 96 dólares o barril, o mais alto em um mês. "Caças das Forças Armadas turcas atingiram com sucessoalvos pertencentes à organização terrorista nas primeiras horasde 26 de dezembro", disse o Estado-Maior turco. Segundo uma fonte da região curda, no Iraque, o ataquedurou cerca de uma hora, na região de Dahuk, e não deixouferidos. A Turquia mobilizou até 100 mil soldados, com o apoiode aviões, tanques e artilharia, próximo à fronteira com oIraque. Autoridades curdas do Iraque já pediram à Turquia que parecom os ataques, e afirmaram que civis já foram mortos. ATurquia diz que só atinge alvos do PKK. O governo iraquiano e as forças norte-americanas dizemapoiar o direito da Turquia de atacar o PKK, que lutam pelaindependência, mas pedem que as operações sejam coordenadas comeles e se mantenham em pequena escala para não desestabilizar aregião. Num outro incidente, seis integrantes do PKK foram mortosnum confronto com soldados na província de Sirnak, na Turquia,na quarta-feira, disseram as Forças Armadas numa nota. A campanha dos ataques no norte do Iraque começou com umgrande bombardeio no dia 16 de dezembro, em que mais de 150guerrilheiros do PKK morreram, segundo a Turquia. "Os iraquianos não querem terroristas em seu país e o PKK éuma força desestabilizadora no norte do Iraque, portantocontinuamos a colaborar tanto com o Iraque quanto com aTurquia", disse Scott Stanzel, porta-voz da Casa Branca, sobreas operações. Para analistas, é improvável que haja uma grande incursãoterrestre por parte da Turquia, por causa das condiçõesclimáticas. A Turquia culpa o PKK -- considerado um grupoterrorista também pelos EUA e pela União Européia -- pela mortede quase 40 mil pessoas desde 1984. (Reportagem adicional de Thomas Grove em Istambul e PeterGraff em Bagdá)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.