Câmeras mostram estudantes britânicas em rodoviária de Istambul a caminho da Síria

Câmeras de segurança da rodoviária de Istambul mostram três estudantes britânicas, que acredita-se estarem a caminho de se unir aos militantes do Estado Islâmico, esperando por horas no terminal de ônibus na Turquia antes de viajar para uma cidade perto da fronteira com a Síria, informou a imprensa no domingo.

REUTERS

01 Março 2015 | 12h24

A polícia britânica e as famílias das meninas divulgaram apelos urgentes para suas filhas voltarem para casa depois que elas voaram de Londres para Istambul em 17 de fevereiro.

As amigas Amira Abase, de 15 anos, Shamima Begum, 15, e Kadiza Sultana, 16, devem ter entrado na Síria, desde então, afirmou a polícia britânica.

Os governos europeus têm pedido para a Turquia conter o fluxo de combatentes estrangeiros para a Síria, e primeiro-ministro britânico, David Cameron, pediu às empresas de mídia social para fazer mais para lidar com o extremismo online, dizendo que as meninas pareciam ter se tornado radicais "em seus quartos."

As imagens de CCTV, de 17 de fevereiro e 18 de fevereiro, são da estação de ônibus Bayrampasa no lado europeu de Istambul, onde as meninas haviam chegado por metrô do aeroporto, informou o jornal Milliyet, citando fontes policiais.

Eles dizem que as meninas passaram 18 horas em Bayrampasa antes de embarcar em um ônibus para viajar para Sanlifurfa, a 50 quilômetros da região da fronteira Síria controlada por militantes do Estado Islâmico.

A polícia turca está tentando identificar as pessoas vistas na filmagem ajudando as meninas com a sua bagagem na estação de ônibus.

A Turquia se queixou de que a Grã-Bretanha havia demorado para notificar o país sobre a chegada das meninas.

As forças de segurança estimam que cerca de 600 muçulmanos britânicos viajaram à região para se juntar ao conflito, alguns ao Estado Islâmico, o grupo muçulmano sunita extremista que controla uma faixa de território na Síria e no Iraque.

Mais conteúdo sobre:
TURQUIA ESTUDANTES CAMERAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.