Efrem Lukatsky/AP
Efrem Lukatsky/AP

Candidato pró-Moscou vence eleições presidenciais da Ucrânia

Yakunovich pressiona Tymoshenko a admitir derrota; pequena vantagem pode gerar contestação de resultado

estadao.com.br,

08 Fevereiro 2010 | 11h07

O líder da oposição, Viktor Yanukovich, é o vencedor das eleições presidenciais na Ucrânia, segundo dados apresentados nesta segunda-feira, 8, pela Comissão Eleitoral Central (CEC) após a apuração de 97,56% dos votos. Yanukovich, de 59 anos, mantinha uma vantagem de 2,57 pontos percentuais sobre a primeira-ministra, Yulia Timoshenko, quando faltava apurar 2,44% das cédulas.

Ele tem a preferência de 48,49% do eleitorado, enquanto sua rival atinge a marca de 45,92%, de acordo com os dados da CEC, que tem dez dias de prazo para anunciar os resultados definitivos do pleito. 

 

Pressão sobre Timoshenko

 

Mais cedo, Yanukovich pressionou sua adversária, a primeira-ministra Yulia Tymoshenko admitir a derrota. Mas a premiê já havia alertado o rival a não celebrar a vitória antes da hora, e analistas dizem que o resultado apertado pode estimular a primeira-ministra a contestar a apuração.

 

"A situação está se desenvolvendo em favor de ir aos tribunais e algum tipo de acordo", disse Viktor Nebozhenko, da entidade Ukrainian Barometre. "Não está realmente claro quem venceu. As forças são mais ou menos iguais."

 

"Se forem 3 pontos percentuais ou menos é contestável. A tentação estará aí para que ela conteste", disse Andrew Wilson, pesquisador-sênior do Conselho Europeu de Relações Exteriores.

 

Mas Tymoshenko, habitualmente exaltada, permaneceu excepcionalmente calada, adiando em várias horas uma entrevista coletiva, enquanto seu adversário a pressionava a admitir a derrota.

 

"Yulia Tymoshenko tem dito repetidamente que até mesmo uma vantagem de dez votos já é uma vitória. Esperamos que uma vantagem de quase 1 milhão de votos seja um argumento suficientemente convincente para que ela reconheça a nossa vitória", disse Anna German, assessora de Yanukovich.

 

Revolução Laranja

 

Os resultados oficiais simbolizam uma grande recuperação política para Yanukovich, de 59 anos, cuja vitória na eleição presidencial de 2004 acabou sendo anulada depois de enormes manifestações populares que ficaram conhecidas por "Revolução Laranja", contestando a ligação dele com Moscou.

 

Mas a euforia daquele movimento popular deu lugar a uma fase de frustração, divergências políticas e crise econômica, e agora a Ucrânia, uma ex-república soviética com 46 milhões de habitantes, pode voltar à órbita russa.

 

Ambos os candidatos prometeram integração com a Europa junto com uma melhoria nas relações com Moscou, mas Tymoshenko é considerada mais pró-ocidental. Já Yanukovich não deve pleitear a adesão à Otan, que era uma meta "laranja" que enfureceu a Rússia. 

Com informações da Efe e da Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.