Caos aéreo na Europa é o maior desde os atentados de 11 de setembro

Espaço aéreo está totalmente fechado em 7 países; companhias aéreas perdem US$ 200 mi por dia

16 de abril de 2010 | 18h59

Painel com horários de chegada e partida em branco no aeroporto de Frankfurt 

 

Reuters

 

LONDRES- Uma enorme nuvem de cinzas procedente do vulcão Eyjafjallajoekull, na Islândia, que se espalha pelo céu da Europa, provocou o maior caos aéreo já visto desde os atentados de 11 de setembro de 2001. O fenômeno, que obrigou o fechamento de aeroportos e o cancelamento de milhares de voos dos dois lados do Atlântico, custa US$ 200 milhões ao dia às empresas de aviação.

 

Veja também:

 

linkFechamento de espaço aéreo europeu sobrecarrega sistema ferroviário

 

linkOMM: não há como prever duração de nuvem

linkOMS avalia ricos da nuvem de cinzas

link

Perdas são estimadas em US$ 200 milhões por dia

linkVoos também são cancelados em SP e no Rio

mais imagens Veja imagens do vulcão Eyjafjallajoekull

 

"Diria que a Europa está experimentando provavelmente sua maior alteração no transporte aéreo desde 11 de setembro (de 2001)", disse um porta-voz da Autoridade da Aviação Civil do Reino Unido. "Em termos de fechamento do espaço aéreo, este é pior do que o de depois de 11 de setembro. A alteração é provavelmente maior que qualquer coisa que já vimos", acrescentou.

 

Dos 29.500 voos que habitualmente cruzam o espaço aéreo europeu, a Eurocontrol previa somente entre 12 e 13 mil operantes na sexta-feira, enquanto só um terço dos voos transatlânticos estavam pousando no continente.

 

O espaço aéreo permanece completamente fechado na Irlanda, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Finlândia, Estônia, o norte da França (incluindo todos os aeroportos de Paris), algumas zonas da Alemanha (Düsseldorf, Colônia, Hamburgo, Berlim e Frankfurt) e da Polônia (incluído o aeroporto de Varsóvia).

 

Fumaça lançada pelo vulcão Eyjafjallajoekull se espalha pelo céu da Islândia. 

 

No Reino Unido, não há restrições de voos na Escócia e na Irlanda do Norte. Na Inglaterra e no País de Gales, o espaço aéreo ficará fechado até às 13h local (9h de Brasília) de sábado, de acordo com oficiais da aviação. No entanto, o Serviço Nacional do Tráfego Aéreo do Reino Unido (NATS, na sigla em inglês), afirmou que há uma chance de haver chegadas e partidas nos aeroportos de Liverpool e Manchester, no norte da Inglaterra, por um prazo restrito durante a manhã.

 

A Suécia e Noruega afirmaram que voos no norte dos países estão permitidos, mas mantiveram o espaço aéreo fechado em ambas as capitais, Estocolmo e Oslo, respectivamente.

 

O Exército americano se viu obrigado a desviar muitos voos, inclusive os que evacuam os feridos do Afeganistão e do Iraque, de acordo com um porta-voz do Pentágono.

 

Após os ataques de 11 de setembro contra Washington e Nova York, o espaço aéreo americano foi fechado durante três dias e as empresas de aviação europeias tiveram de suspender todos os serviços transatlânticos.

 

Sem precedentes

 

Joe Sultana, diretor de operações da agência de controle aéreo Eurocontrol, afirmou que a situação não tinha precedentes. Segundo a agência, depende de cada país retomar os voos, baseando-se na dissipação ou não da nuvem no espaço aéreo.

 

O vulcão Eyjafjallajoekull começou sua erupção na quarta-feira, pela segunda vez no mês, lançando na atmosfera uma nuvem de cinza com entre seis e 11 km de área.

 

Segundo autoridades, o vulcão continua expelindo magma e, ainda que a erupção diminuísse nos próximos dias, as cinzas podem continuar entrando nos céus europeus.

 

A cinza vulcânica contém minúsculas partículas de vidro e rocha pulverizadas, que podem danificar os motores dos aviões. Em 1982, um avião da British Airways perdeu a força de todos os motores quando entrou em uma nuvem de cinza que cobria a Indonésia, e caiu antes de conseguir reiniciar seus motores.

 

O Escritório de Meteorologia Britânico mostrou a nuvem se dirigindo ao sul e ao oeste da Europa. Somado aos problemas aéreos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) adverte que as cinzas vulcânicas podem ser prejudiciais para as pessoas com problemas respiratórios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.