Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Cardeal de Portugal alerta contra o casamento com mulçumanos

'Isso acarreta inúmeros problemas, que nem Alá saberá onde vai terminar', disse José Pilicarpo

REUTERS

14 de janeiro de 2009 | 17h17

O cardeal de Portugal José Pilicarpo alertou as moças da nação predominantemente católica contra o casamento com mulçumanos.     Veja também: Relação entre Vaticano e comunidade judaica italiana fica tensa Rabino acusa papa de cancelar diálogo entre judeus e católicos  Fala de cardeal gera tensão entre Vaticano e Israel "O conselho que eu dou para as jovens portuguesas é que sejam cuidadosas nos relacionamentos, pensem duas vezes antes de se casarem com mulçumanos", disse o patriarca de Lisboa. "Isso acarreta inúmeros problemas, que nem Alá saberá onde vai terminar." Policarpo fez seu discurso em um encontro na noite de terça-feira, 13. Suas declarações foram repetidas por algumas emissoras de televisão nesta quarta-feira, 14. Portugal abriga cerca de 40 mil mulçumanos e já foi governada por mulçumanos da África do Norte, a exemplo da vizinha Espanha. Pedidos para que a comunidade islâmica de Lisboa comente as declarações ficaram sem resposta. O Vaticano desaconselha mulheres católicas a se casarem com mulçumanos e Policarpo repetiu essa posição. "Eu sei que se uma jovem européia de costumes cristãos se casar com um mulçumano, assim que eles forem para o país dele, elas estarão sujeitas ao regime de mulheres mulçumanas", disse Policarpo. "Imaginem isso." Líder cardeal que participou da eleição do papa Bento 16 em 2005, Policarpo também disse que o diálogo com mulçumanos em Portugal também não é fácil. "Só é possível dialogar com aqueles que querem conversar, com os nossos irmãos mulçumanos por exemplo o diálogo é muito difícil", disse ele. (Reportagem de Axel Bugge)

Tudo o que sabemos sobre:
PORTUGALMULCUMANOSCASAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.