Casal McCann quer realizar próprio teste de DNA em carro

Gerry e Kate temem que polícia portuguesa 'plante evidências' contra eles na investigação do caso Madeleine

Agências internacionais,

13 de setembro de 2007 | 10h31

Os pais de Madeleine McCann, a menina britânica de 4 anos desaparecida em Portugal em 3 de maio, estão considerando conduzir seus próprios testes de DNA no veículo no qual foram encontrados pistas do corpo da garota, segundo reportagem publicada pelo britânico The Guardian nesta quinta-feira, 13.   Veja também: Estréia de filme com enredo parecido é adiado Falhas no caso Madeleine   Um juiz português deve começar a analisar nesta quinta o dossiê feito pela Polícia Judiciária contra Gerry e Kate McCann.   O documento, entregue na última quarta, conta com detalhes sobre as amostras de DNA da criança encontrados no carro que o casal alugou durante sua estadia em um hotel de Praia da Luz, no Algarve.   As evidências serão comparadas com outras amostras achadas no carro, outros fluidos corporais e fios de cabelo, descobertos no porta-malas do veículo.   Segundo uma fonte próxima à família entrevistada pela BBC, o casal McCann quer conduzir sua própria análise de DNA para "evitar qualquer possibilidade de uma evidência ser plantada".   A polícia de Portugal trabalha com a hipótese de que os pais tenham assassinado a filha, talvez por acidente, e usado o automóvel para transportar o corpo. O veículo, um Renault Scénic, não estava alugado até 25 dias depois do desaparecimento da criança.   Desde que foram nomeados como principais suspeitos, o casal não dá mais detalhes sobre as evidências em torno das quais a polícia trabalha. Segundo reportagens, os próximos passos da investigação seria recolher amostras de um diário da garota e de um bicho de pelúcia, do qual a mãe não se separa há quatro meses.   Na última quarta-feira, uma nova hipótese levantada pelos peritos sugeria que o corpo de Madeleine estivesse enterrado ao lado da igreja de Praia da Luz. As evidências seriam que, á época do desaparecimento, a cidade estivesse em obras, permitindo assim que o corpo fosse escondido em algum canteiro de uma rua sem calçamento. A igreja, cujo padre se tornou amigo do casal, é onde Gerry e Kate rezavam pedindo para encontrar a menina.   De acordo com o tablóide inglês The Sun, os detetives acreditam que o corpo da menor foi escondido fora da igreja, de onde pode ter sido levado posteriormente em um veículo que o casal McCann alugou três semanas após o desaparecimento da criança.   Os detetives consideram que se os pais foram responsáveis pela morte de Madeleine, teriam entrado em pânico e transportado o corpo da grota para um lugar que conheciam muito bem, como a igreja local.    O casal britânico, que mostrou indignação pelas sugestões de ter matado acidentalmente a menina e escondido corpo, retornou no domingo ao Reino Unido após deixar a casa que tinha alugado no Algarve desde então.   Na semana passada, os McCann foram interrogados separadamente pela Polícia portuguesa, que afirmou que supostos restos de sangue da menina foram encontrados no carro que alugado por eles na Praia da Luz, no Algarve, um mês depois do desaparecimento, segundo a imprensa britânica.   Na quarta-feira, o casal negou que usará o dinheiro arrecadado pelo grupo Find Madeleine para financiar sua defesa legal.    Mais cedo, a imprensa britânica havia publicado a decisão do casal de utilizar cerca de 1,4 milhão de euros com advogados caso sejam acusados.

Tudo o que sabemos sobre:
Madeleine McCannDNA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.