'Casamento' gay reabre debate antes de eleições na França

O prefeito de uma pequena cidade francesa desafiou a proibição nacional de casamentos do mesmo sexo e presidiu neste sábado a cerimônia matrimonial de dois homens, alimentando o debate do casamento gay antes das eleições presidenciais do país.

REUTERS

12 de novembro de 2011 | 14h03

A medida causou uma grande reprovação de um ministro do governo do presidente Nicolas Sarkozy, que descreveu o ato como "provocação eleitoral".

Jean Vila, prefeito da cidade de Cabestany, vestiu sua faixa com as cores da bandeira francesa enquanto presidia o casamento de Patrick, de 48 anos, e Guillaume, de 37, e disse depois que aquilo era um "ato militante".

"Declarar ilegal o casamento de homossexuais é negar a realidade de que há milhares de casais homossexuais", afirmou o político depois da cerimônia na prefeitura da cidade, localizada a cerca de 40 quilômetros da fronteira com a Espanha.

Vila se negou a cadastrar o casamento no registro oficial, para evitar que ele seja anulado, como ocorreu com dois homens que se casaram em 2004.

Alguns países da Europa permitem o casamento do mesmo sexo, mas a França só permite a união civil, um status que dá menos direitos do que o casamento propriamente dito.

A autoridade constitucional da França manteve em janeiro a proibição do casamento gay no país, e, em junho, o Parlamento rejeitou um projeto de lei do Partido Socialista para tentar legalizá-lo.

(Reportagem de Nicolas Fichot)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCACASAMENTOGAY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.