Catalunha suspende campanha formal para referendo de independência

O governo regional da Catalunha declarou nesta terça-feira que irá suspender temporariamente a campanha formal para o referendo de independência da Espanha, depois que o governo espanhol entrou com uma apelação para impedir a realização da votação.

REUTERS

30 de setembro de 2014 | 15h59

Madrid argumenta que a consulta, que o líder catalão Artur Mas solicitou para o dia 9 de novembro, violaria a lei porque só seria realizado na Catalunha, e não no país inteiro, e apelou na segunda-feira ao Tribunal Constitucional para que proíba sua realização, o que autoridades catalãs agora querem tentar reverter.

Com a suspensão da campanha por enquanto, os movimentos regionais separatistas, que cresceram nos últimos anos na rica região do nordeste espanhol e vêm ditando a pauta política local, devem atrair os holofotes.

Os manifestantes devem se reunir diante das prefeituras de toda a Catalunha ainda nesta terça-feira, e alguns podem exigir que o pleito de novembro aconteça independentemente de sua legalidade.

Centenas de milhares de pessoas já tinham lotado as ruas de Barcelona em 11 de setembro, o Dia da Catalunha, clamando pelo direito de votar sobre a separação em potencial da Espanha.

Este fervor foi impulsionado pelo referendo de independência da Escócia em setembro, ainda que este tenha terminado com a vitória do "não".

A suspensão legal dos planos da Catalunha era esperada há meses, embora Mas tenha desafiado Madri convocando a votação de qualquer maneira e continue pressionando para levá-la adiante.

Mais conteúdo sobre:
ESPANHACATALUNHASUSPENDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.