Centenas de radicais destroem e saqueiam centro de Atenas

Cerca de 300 homens atacaram lojas e carros; país vive onda de manifestações após polícia assassinar jovem

Agências internacionais,

08 de dezembro de 2008 | 16h19

Foto: Efe ATENAS - Cerca 300 homens encapuzados destruíram lojas e carros nas proximidades da praça Omonia de Atenas, enquanto se espera as conseqüências de duas manifestações convocadas para esta segunda-feira, 8, em protesto contra a morte, no sábado, de um jovem pela Polícia grega. Na tarde desta segunda, a televisão mostrava imagens de diversos pequenos incêndios no centro da capital grega, enquanto o primeiro-ministro Costas Karamanlis fazia um pronunciamento para tentar acalmar a população, que vive seu terceiro dia de protestos, cada vez maiores. Galeria de fotos dos protestos  À medida que avançavam os núcleos de duas manifestações com cerca de dez mil participantes, convocados por partidos de esquerda, grupos de radicais semearam a destruição pelo terceiro dia seguido contra os comércios do centro da capital grega, com bombas incendiárias, madeiras e pedras. Foto: Efe Os radicais destruíram uma loja de munição e roubaram armas, espadas e outros objetos, enquanto a Polícia tentava dispersar as pessoas com gás lacrimogêneo, informou o canal de televisão Alter. As manifestações no centro de Atenas acontecem simultaneamente com distúrbios em outras cidades do país, como Larisa, Patras, Salônica, Tessalônica e Trikala. Foto: AP Grandes avenidas das cidades atacadas foram interditadas com lixo em chamas. Em Atenas, os manifestantes começaram a marchar na direção da principal delegacia de polícia da capital, mas acabaram dispersados com bombas de gás lacrimogêneo.  Com uma greve de 24 horas planejada para quarta-feira, contra as reforças do sistema de pensões e as políticas econômicas do governo, muitos gregos acreditam que os protestos podem se estender por dias.   Foto: Efe Os protestos explodiram na Grécia horas após a morte de um garoto de 16 anos, no sábado à noite, no instável distrito central de Atenas de Exarchia. As circunstâncias da morte de Alexandros Grigoropoulos não estavam claras.  Dois policiais argumentam que estavam sendo atacados por um grupo de 30 jovens e que tiros de advertência e uma granada de efeito moral foram utilizados quando eles encontraram o grupo, minutos antes da morte. Porém testemunhas deram outra versão, alegando que os policiais atiraram contra os jovens. Os dois policiais foram presos e acusados, um por assassinato e o outro como cúmplice. As manifestações levam a marca dos anarquistas. Seus representantes, em grande parte jovens, possuem um sentimento contrário ao establishment e ao capitalismo e uma grande animosidade diante da polícia.  O país passou recentemente por uma série de protestos, alguns violentos, contra o governo de Karamanlis, também suspeito de envolvimento em um escândalo de corrupção. Os Socialistas estão à frente nas pesquisas de intenção de voto, pela primeira vez em oito anos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.