Lynsey Addario/The New York Times
Lynsey Addario/The New York Times

Bunkers improvisados no metrô de Kiev reúnem 15 mil pessoas que fogem das bombas de Putin

Pessoas dormem três ou quatro em um colchão e sacos plásticos de comida enchem a cena, enquanto as mães procuram interminavelmente em seus telefones por notícias da guerra

Andrew E. Kramer, The New York Times, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2022 | 20h00

KIEV - Enquanto a escada rolante desce os últimos metros até a estação de metrô no meio do sistema de transporte de massa de Kiev, uma série de colchões de espuma, malas e sacolas plásticas cheias de comida aparece. O espaço é surpreendentemente silencioso, quase silencioso, apesar das cerca de 200 pessoas acampadas lá para escapar do bombardeio e do fogo de artilharia acima.

Eles dormem três ou quatro em um único colchão. As crianças empurram carrinhos de brinquedo sobre as lajes de granito cinza do piso da estação, observando suas mães rolarem interminavelmente em seus celulares, em busca de notícias da guerra.

Pequenas mãos e pés saem de debaixo dos cobertores, embora esteja visivelmente mais quente na estação do que acima do solo. Voluntários vêm e vão, trazendo comida e outras necessidades da vida. Uma mãe monta uma barraca, para um mínimo de privacidade.

"Melhor aqui do que lá fora"

“Não é tão confortável”, admitiu Ulyana, que tem 9 anos e mora na estação Dorohozhychi com sua mãe e seu gato há seis dias. “Mas você vê, esta é a situação, e nós apenas temos que aturar isso. É melhor estar aqui do que entrar em uma situação lá fora.”

Cerca de 15.000 pessoas, disse o prefeito da cidade na quarta-feira, 2, a maioria delas mulheres e crianças, se estabeleceram no sistema de metrô de Kiev para escapar das condições sombrias da cidade enquanto as forças russas atacam.

E o metrô não é o único refúgio subterrâneo. Os médicos do Hospital Maternidade nº 5 em Kiev, por exemplo, instalaram câmaras no porão para fornecer às mulheres um local seguro para dar à luz. Até agora, cinco bebês nasceram dessa maneira, disse Dmytro Govseyev, diretor da clínica.

Planos obscuros

Seis dias depois do conflito, os planos de guerra do Kremlin permanecem obscuros. Os movimentos de tanques, canhões de artilharia, veículos blindados e outras armas pesadas em direção a Kiev, com uma população de cerca de 2,8 milhões antes do êxodo de evacuados, estão levantando graves alarmes sobre o potencial início de sangrentos combates de rua.

Mas a Rússia pode, em vez disso, estabelecer um cerco esmagador com bombardeios e o corte de suprimentos de alimentos, água e munição na esperança de quebrar a resistência sem a destruição e a morte de um ataque frontal.

De qualquer forma, a vida subterrânea em Kiev, já difícil, provavelmente ficará ainda mais difícil.

Os preparativos eram evidentes em quase todas as ruas: barreiras de concreto bloqueavam estradas, pneus para incendiar para formar cortinas de fumaça estavam por toda parte e, em um novo empreendimento na quarta-feira, sinais de alerta de minas antitanque pontilhavam estradas fechadas às pressas para carros civis.

Um carro crivado de balas estava abandonado na beira de uma estrada perto de um posto de controle ocupado por voluntários civis, aparentemente depois de ter levantado suspeitas de que estava transportando sabotadores russos.

Uma neve fria e lamacenta caiu, e o baque de explosões pôde ser ouvido em algum lugar nos arredores da cidade.

Olha Kovalchuk, veterinária, 45, e sua filha, Oksana, 18, estudante universitária de ecologia, estão se revezando para dormir em um cobiçado banco de madeira na parada Dorohozhychi. "Este é o nosso espaço", disse Kovalchuk.

Nas proximidades, as pessoas se aglomeravam em torno de uma estação de carregamento de celular improvisada às pressas. Felizmente, o sistema de metrô tem banheiros públicos bem equipados.

Uma cidade ucraniana cai. As tropas russas ganharam o controle de Kherson, a primeira cidade a ser conquistada durante a guerra. A ultrapassagem de Kherson é significativa, pois permite aos russos controlar mais a costa sul da Ucrânia e avançar para o oeste em direção à cidade de Odessa.

A parada fica bem no fundo da linha verde do sistema – o trajeto de escada rolante até a estação leva cerca de um minuto – e as paradas à frente parecem promissoras: o Palácio dos Esportes, o Golden Gate, as Cavernas e a Amizade dos Povos. No entanto, enquanto os trens ainda circulam esporadicamente, ninguém aqui estava indo a lugar nenhum.

Pouco sono e muito estresse

Kovalchuk disse que estava sob tanto estresse que mal dormia. E ela estava fervendo de raiva do homem que começou a guerra, o presidente Vladimir Putin, da Rússia. "Eu não quero jurar", disse ela. “Eu odeio aquele homem com toda a minha alma. Veja quanta dor ele nos trouxe.”

Nos últimos dias, autoridades ucranianas pediram às nações ocidentais que interviessem impondo uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia, um pedido que foi rejeitado, porque arriscaria desencadear um conflito direto entre a Otan e as forças russas. Mas Kovalchuk gostou da ideia.

"Por favor, feche o céu", disse ela.

Os sinais de alerta das intenções da Rússia estão claros há anos, não apenas durante a escalada militar que começou no ano passado, disse ela. “Não entendo por que o mundo não ouviu a Ucrânia antes”.

Lyudmyla Denisova, ombudsman de direitos humanos no Parlamento ucraniano, divulgou um comunicado dizendo que 21 crianças foram mortas e outras 55 ficaram feridas.

Na estação de metrô, Yulia Gerasimenko, uma advogada que trabalhou no agora moribundo mercado imobiliário de Kiev, mudou-se para a estação de metrô com sua filha, Ulyana, na noite de quinta-feira passada, o primeiro dia da guerra. Por acaso, seu filho de 6 anos estava com a avó fora de Kiev quando a incursão russa começou. Eles conseguiram fugir e agora estão na Alemanha. Seu marido, um militar de carreira, está lutando com o exército ucraniano.

Ela estava feliz por seu filho estar seguro, ela disse. “Mas eu gostaria de estar perto dele agora.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.