Cerca de 7 mil voos serão cancelados hoje na Europa, diz Eurocontrol

Segundo a Eurocontrol, quase todo o espaço aéreo abaixo dos 20 mil pés de altura já está disponível

EFE

21 de abril de 2010 | 07h49

 Cerca de 7 mil voos serão cancelados hoje na Europa dos 28 mil que eram previstos, o que representa uma progressiva normalização do tráfego aéreo no continente após a passagem da nuvem de cinzas procedente de um vulcão islandês, indicou a Agência Europeia para a Segurança da Navegação Aérea (Eurocontrol).

 

Veja também:

link Cinzas vulcânicas custam US$ 1,7 bilhões às companhias aéreas, diz Iata

link Agência criará regras para aviões voarem com cinzas

link Atividade de vulcão na Islândia diminui, mas ventos continuam fortes

link Nuvem de cinzas mostra que é preciso um melhor sistema ferroviário europeu

 

Em comunicado, a entidade destacou que 21 mil voos poderão operar hoje na Europa dos aproximadamente 28 mil previstos para uma quarta-feira normal.

 

Ontem só puderam operar 13 mil dos 28 mil voos programados.

 

Segundo a Eurocontrol, "quase todo" o espaço aéreo abaixo dos 20 mil pés de altura está disponível e nele estão sendo administrados serviços de tráfego aéreo.

 

Além disso, a agência ressaltou que ainda há restrições em algumas áreas, que incluem o sul da Suécia e o espaço aéreo de Helsinque, na Finlândia. No entanto, segundo os cálculos do organismo, essas restrições "serão suspensas gradualmente ao longo do dia".

 

Ao término do dia já serão mais de 100 mil voos suspensos na Europa desde o dia 15 passado, quando a nuvem vulcânica procedente da Islândia provocou o caos no tráfego aéreo europeu.

 

A agência lembrou que os novos procedimentos para voar estipulados pela União Europeia (UE) na segunda-feira, que dividiram o espaço aéreo em três zonas de acordo com o nível da poluição, são aplicados desde ontem às 3h (de Brasília).

Tudo o que sabemos sobre:
Europavulcãocinzasvoos cancelados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.