CGT convoca greve contra reforma trabalhista na França

O maior sindicato da França convocou nasexta-feira uma greve geral para o mês que vem, em protestocontra o presidente Nicolas Sarkozy, que planeja dar àsempresas mais chances de ignorar a lei de 35 horas de trabalhopor dia. A princípio, os sindicatos concordaram que tais negociaçõesdevem ser feitas pelas empresas, não por setores inteiros, masestão ressentidos com o anúncio de que o plano do governo vaimuito além. A proposta do ministro do Trabalho, Xavier Bertrand,abriria caminho para negociações sobre o número máximo de horasextras que os empregados podem fazer e a compensação quereceberiam caso trabalhassem mais do que isso. As empresas precisariam da aprovação dos sindicatos que têmo apoio de 30 por cento dos empregados para fazer acordos sobreestes assuntos, em vez dos 50 por cento previstos pelo acordoinicial com o sindicato. "Eles estão prontos para destruir boa parte da leitrabalhista e nós não vamos permitir que isso aconteça", disseà rádio RTL Bernard Thibault, presidente do influente sindicatoCGT. "Os franceses que acordam cedo e os que também dormem tardevão para as ruas", acrescentou, referindo-se ao bordão deSarkozy, que, durante as eleições, dizia para as pessoasacordarem cedo para trabalhar mais e ganhar mais dinheiro. (Reportagem de Swaha Pattanik)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.