Chanceler russo relaciona insurgência estrangeira a atentado em Moscou

Lavrov não mencionou a Al-Qaeda, mas citou militantes na fronteira do Paquistão com o Afeganistão

29 de março de 2010 | 19h17

O ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, afirmou que militantes que operam na fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão podem ter ajudado a organizar os ataques suicidas que mataram 38 pessoas no metrô de Moscou nesta segunda-feira, 29.

 

Veja também:

linkAtaques suicidas deixam ao menos 38 mortos no metrô de Moscou

linkRússia declara guerra contra o terrorismo

linkOtan e Ocidente condenam atentado

linkMetrô sofreu seis atentados nos últimos 12 anos

mais imagens Imagens dos atentados em Moscou

 

Perguntado pela agência Interfax sobre se poderia haver algum envolvimento estrangeiro nos ataques, Lavrov respondeu: "Eu não excluo isso". O chanceler não mencionou a Al-Qaeda, mas disse que as suicidas podem ter vínculos com insurgentes na conturbada zona fronteiriça afegã com o Paquistão.

 

"Todos nós sabemos que na fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão, na chamada 'terra de ninguém', o terrorismo está impregnado", afirmou Lavrov. "Nós sabemos que muitas pessoas lá planejam ataques, não somente no Afeganistão, mas também em outros países. Às vezes eles trilham para o Cáucaso", acrescentou.

 

Duas mulheres-bomba suicidas atacaram estações de metrô da capital russa na hora do rush, quando as pessoas estavam indo para o trabalho. O governo cogita que elas tinham ligações com o Cáucaso, centro de uma insurgência islâmica contra Moscou.

 

Alguns oficiais russos afirmaram que a insurgência no Norte do Cáucaso, que abarca a Chechênia, o Daguestão e Inguchétia, tem vínculos com a Al-Qaeda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.