Charge do 'Charlie Hebdo' satirizando vítimas de terremoto causa revolta entre italianos

Charge do 'Charlie Hebdo' satirizando vítimas de terremoto causa revolta entre italianos

Publicação traz comparação dos feridos com pratos da culinária do país; França diz que jornal não representa opinião do país

O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2016 | 20h26

O jornal satírico francês Charlie Hebdo provocou uma reação entre os italianos nesta sexta-feira, 2, após publicar uma charge em que satiriza vítimas do terremoto que deixou quase 300 mortos no país.  O assunto ficou entre os assuntos mais comentados em redes sociais como o Twitter durante o dia, com a maioria dos internautas condenando a brincadeira diante da tragédia.

A charge traz vítimas do terremoto que atingiu a região central da Itália, numa comparação com pratos típicos da culinária do país. Dois homens bastante machucados aparecem como "penne ao molho de tomate" e "penne gratinado". A terceira ilustração, a mais forte, compara partes do corpo de pessoas soterradas pelos escombros a um prato de lasanha.

Muitos internautas reagiram à publicação, dizendo que a sátira não seria "liberdade de expressão", mas uma "ofensa" ao povo italiano. Outros fizeram questão de lembrar a campanha "Je Suis Charlie", que ganhou as redes sociais no começo de 2015, quando o jornal foi alvo de um ataque terrorista, após publicar charges com a figura do profeta Maomé, sagrada na religião muçulmana.

Mais tarde, o Chalie Hebdo publicou uma nova charge na sua página do Facebook, continuando a polêmica com os italianos. A publicação diz, em tradução livre: "Italianos, não foi a Charlie Hebdo que construiu suas casas, foi a máfia" e traz uma imagem de devastação pós-terromoto.

Diante da polêmica, a embaixada da França na Itália publicou uma nota dizendo que a publicação do jornal não representa a posição do país. A nota diz ainda que a França se solidariza com as vítimas do terremoto.

Terror. Em janeiro de 2015, 12 pessoas morreram em um atentado terrorista contra a sede do jornal satírico. Homens armados invadiram a redação, em Paris, durante a reunião de pauta, quando todos os jornalistas trabalhavam. Todos os principais chargistas do veiculo, Charb, Cabu, Wolinsk e Tignous, foram assassinados.

Veja reação de internautas:

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.