Chefe do Exército francês renuncia após incidente com munição

Pelo menos 17 foram feridos durante exibição militar em que balas de verdade foram usadas ao invés de festim

Efe e Associated Press,

01 de julho de 2008 | 10h56

O comandante do Exército da França, o general Bruno Cuche, renunciou nesta terça-feira, 1, em virtude do tiroteio acidental, causado por um sargento, que feriu 17 pessoas em uma exibição militar em um quartel em Carcassone (sul da França) último domingo. Durante a apresentação, munição de verdade foi usada ao invés de festim. O presidente Nicolas Sarkozy aceitou a renúncia do general, chefe do Estado-Maior das forças terrestres, informou o escritório do presidente. A última renúncia de um comandante de Exército na França foi em 1983, quando um general protestou contra os baixos soldos.  O ministro da Defesa, enquanto isso, suspendeu o uso de munição de festim em desfiles e exibições militares para os civis. Investigadores estão averiguando o incidente, que aconteceu no domingo no quartel de Laperrine, no sul da França, durante uma demonstração de técnicas para libertar reféns. Sarkozy disse que os responsáveis sofrerão "conseqüências" após o tiroteio. Muitos dos feridos são civis e três são crianças. Funcionários de um hospital regional informaram na segunda-feira que nenhum dos feridos corre risco de vida. O soldado que efetuou os disparos com munição de verdade foi detido. O procurador da cidade de Montpellier, Brice Robin, disse que os disparos parecem ter sido acidentais. "De acordo com as primeiras informações, parece que ele cometeu um erro enquanto carregava sua arma," disse ontem Robin. "O ato não foi premeditado, eu quero ser claro a esse respeito," disse o procurador. Sem esperar pelos resultados das investigações judicial e militar, o ministro da Defesa, Hervé Morin, ordenou ao chefe de Estado-Maior das forças armadas que prepare punições aos responsáveis, o ministro informou em comunicado, sem detalhar quais serão as punições. O comunicado define o tiroteio durante a demonstração de um regimento de pára-quedistas ao público como uma "falha grave."

Tudo o que sabemos sobre:
França

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.