Chefe do narcotráfico colombiano é preso em Madri

Um colombiano acusado pelas autoridadesnorte-americanas de chefiar uma das mais violentas redes detráfico de drogas na América do Sul foi preso em um hotel emMadri, informou a embaixada norte-americana na cidade nasexta-feira. Autoridades dos Estados Unidos haviam oferecido umarecompensa de 5 milhões de dólares pela captura de EdgarVallejo Guarin, também conhecido como "Beto Gitano", que estavana lista de procurados dos EUA desde 2001. Ele foi capturado no hotel Meliá Felix em Madri, naquinta-feira a noite, depois de um aviso da Administraçãoanti-drogas norte-americana. O embaixador Eduardo Aguirre disse em um comunicado que ogoverno norte-americano buscaria a extradição do traficante. "Vallejo Guarin tem um longo histórico com violência,lavagem de dinheiro, e corrupção de autoridadesgovernamentais", diz o site do Departamento de Estado dos EUA. Vallejo Guarin, de 47 anos, é acusado de ser um importantefornecedor de cocaína colombiana para os EUA entre 1990 e 1999,e é suspeito em diversos assassinatos relacionados ao tráfico. Guarin foi indiciado em junho de 2001 na Flórida pordirigir e operar uma organização criminosa. A Administração anti-drogas recebeu informações de queVallejo Guarin estaria primeiro na Venezuela e depois naEspanha. A polícia espanhola descobriu que Vallejo Guarin haviausado documentação venezuelana para obter residência na Espanhacom o nome de Jairo Gomez. (Reportagem de Martin Roberts)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.