Chefe militar do grupo terrorista ETA é detido na França

Txeroki foi preso junto com sua companheira na localidade de Cauterets, no sudoeste do país

Agências internacionais,

17 de novembro de 2008 | 02h42

A ministra do Interior da França, Michèle Alliot-Marie, anunciou na madrugada desta segunda-feira, 17, a detenção do chefe militar do grupo terrorista ETA, Garikoitz Aspiazu Rubina, conhecido como Txeroki, na localidade de Cauterets, nos Altos Pirineus franceses. Segundo comunicado oficial, outra pessoa foi detida, uma mulher, cuja identidade não foi revelada.   Txeroki, procurado número um das forças e dos corpos de segurança do Estado, e sua companheira estavam dormindo e armados no momento da detenção. Ele foi um dos três terroristas da ETA que assassinaram os dois guardas-civis espanhóis Raúl Centeno e Fernando Trapero em 1º de dezembro de 2007, em Cap Breton, sudoeste da França, segundo o ministro do Interior espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba.   O presidente francês, Nicolas Sarkozy, assegurou que a detenção de Txeroki prova "a excelente colaboração entre França e Espanha na luta contra o terrorismo basco". Em comunicado, o chefe do Estado francês assinalou ainda que a detenção do suposto "etarra" mostra "mais uma vez o forte compromisso dos serviços de polícia francesa" na luta contra o terrorismo.   O ETA é acusado pela morte de mais de 820 pessoas durante os 40 anos de campanha por uma nação basca independente. O grupo retomou a realização de ataques violentos em junho de 2007 depois que uma negociação secreta com o governo espanhol fracassou.   Segundo a BBC, prisão de Aspiazu Rubina representa o maior golpe ao ETA desde que o mais alto comandante do grupo, Javier Lopez Pena, conhecido como "Thierry", foi preso juntamente com outros três supostos integrantes do grupo em Bordeaux, em maio. Lopez Pena é acusado de ter ordenado o ataque ao aeroporto de Madri em dezembro de 2006, que colocou um fim a um cessar-fogo de 14 meses e matou duas pessoas.   Matéria atualizada às 7h55.

Tudo o que sabemos sobre:
ETAFrançaEspanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.