Cidade alemã oficializa feriados muçulmanos

Hamburgo se tornou a primeira cidade alemã a reconhecer feriados islâmicos, numa iniciativa para estimular a integração de uma minoria religiosa frequentemente difamada pelos opositores da imigração.

ELISA ODDONE, Reuters

15 de agosto de 2012 | 16h24

Trabalhadores e estudantes muçulmanos terão dias livres para celebrar seus feriados. Além disso, as escolas estatais terão aulas de islamismo, disseram autoridades locais e representantes da comunidade muçulmana, após negociações que duraram cinco anos.

"Esperamos que a introdução de aulas de religião muçulmana na cidade-Estado do norte seja um sinal para os outros 15 Estados alemães", disse Daniel Abdin, do conselho de comunidades islâmicas de Hamburgo. "Este acordo é um passo importante para o reconhecimento do Islã em nosso país."

O acordo entrará em vigor no ano que vem e será o primeiro desse tipo na Alemanha, país de 82 milhões de habitantes, dos quais 4 milhões são muçulmanos -- cerca de metade deles com cidadania alemã.

A tolerância religiosa e étnica é uma questão sensível na Alemanha. No começo do ano, o deputado federal conservador Volker Kauder, estreito aliado da primeira-ministra Angela Merkel, disse que o Islã não era parte da tradição e identidade da Alemanha.

Em Colônia, em julho uma corte proibiu a circuncisão de meninos, o que desencadeou críticas das comunidades judaica e muçulmana.

As organizações islâmicas em Hamburgo, representando cerca de 150 mil muçulmanos, afirmaram que o acordo foi um marco histórico de aceitação.

"Os muçulmanos consideram Hamburgo a sua casa", disse Zekeriya Altug, da União Turco-Islâmica do Instituto para a Religião, de Hamburgo.

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAMUCULMANOSFERIADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.