Cinco são culpados por falsificar Viagra no Reino Unido

Pílulas fabricadas na China e no Paquistão custavam £20 cada e não faziam efeito ou causavam náuseas

17 de setembro de 2007 | 14h56

Após sete meses, terminou o maior caso de drogas na história do Reino Unido, com cinco pessoas declaradas culpadas por uma conspiração multimilionária. Milhares de consumidores compraram pílulas de Viagra por 20 libras cada, mas muitos reclamaram de náusea ou efeito nenhum, afirma o britânico The Guardian.   As pílulas eram manufaturadas em fábricas na China e no Paquistão. Ao entrarem no Reino Unido, eram embaladas e vendidas a clientes nos EUA, no próprio Reino Unido e nas Bahamas.   Um julgamento na corte real de Kingston ouviu que os produtos eram praticamente iguais aos reais, com pacotes, logo e bula cuidadosamente embalados.   Os medicamentos continham cerca de 90% dos ingredientes ativos encontrados nos originais - mas os usuários estavam em perigo devido aos outros possíveis ingredientes.   O vendedor Gary Haywood, 58, o estudante Ashwin, 24, e o empresário Zahid Mirza, 45, de Ilford, foram todos declarados culpados no mês passado por fazerem parte das conspirações. Os outros dois ainda não tiveram os nomes revelados.

Tudo o que sabemos sobre:
ViagraReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.