Pontus Lundahl/Efe
Pontus Lundahl/Efe

Coalizão de centro-direita ganha, mas perde maioria abosluta na Suécia

Com resultado, bloco do premiê Fredrik Reinfelt será obrigado a buscar apoio de outros partidos

Efe,

19 de setembro de 2010 | 18h41

ESTOCOLMO- A aliança de centro-direita do primeiro-ministro conservador, Frederik Reinfeldt, conseguiu se reeleger nas eleições legislativas suecas, realizadas neste domingo, 19, mas perdeu a maioria absoluta devido a entrada da ultradireita no Parlamento. 90% dos votos já foram apurados.

 

A coalizão governista de conservadores, liberais, democratas cristãos e centristas obteve 49,3% dos votos, e deve ficar com 173 deputados dos 349 do Riksdagen (Parlamento), menos dos 175 necessários para formar uma maioria absoluta.

 

A coalizão de esquerda liderada pelo Partido Social Democrata e formada pelo Partido da Esquerda e o do Meio Ambiente obteve 43,5% dos votos, ficando com 156 cadeiras, e o partido ultradireitista Democratas da Suécia, 5,8%, com 20 cadeiras.

 

Com esse resultado, o Democratas da Suécia será o fiel da balança, mas sua influência pode ser minimizada pela negativa das coalizões a fazer acordo com a ultradireita. Assim, há possibilidade de que haja acordos pontuais com o rompimento dos blocos.

 

A ultradireita teve uma rápida passagem de três anos no Parlamento no início da década de 1990, representada então pela formação Nova Democracia.

 

O líder do Democratas da Suécia, Jimmie Åkesson, disse a seus partidários que o partido escreveu hoje a "história política", apesar da "censura e do boicote dos meios", e destacou que tem quatro anos para influenciar a política sueca.

 

Nenhum governo de centro-direita conseguiu ser reeleito em um país dominado pelos sociais democratas de esquerda desde os anos 30.

 

A coalizão de Reinfeldt expulsou os sociais democratas do poder em 2006 e manteve suas promessas de reduzir impostos e também os benefícios. A economia sueca, amparada na exportação, deve crescer mais de 4% este ano enquanto seu orçamento para 2010 deve ser um dos menores da União Europeia.

 

Depois de dominar a política sueca por décadas, os sociais democratas caíram para um recorde de baixa de 35% de participação na eleição anterior e foram forçados a se unir com os partidos Verde e outros de esquerda pequenos para terem chance de retomar o poder.

 

A autoridade eleitoral informou que um recorde de 2,2 milhões de suecos votaram antecipadamente antes da eleição de domingo, sugerindo um comparecimento elevado. Existem 7,1 milhões de eleitores registrados na Suécia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.