Combustível que vazou de navio atinge costa russa e mata aves

Ventos de até 100 km/h afundaram cinco barcos no Mar Negro; um deles carregava 2.000 t de petróleo

Efe,

12 de novembro de 2007 | 09h50

A mancha de combustível que vazou no domingo do navio petroleiro russo Volga-Neft atingiu nesta segunda-feira, 12, a costa russa no estreito de Kerch, que separa o Mar Negro e o Mar de Azov, informaram as autoridades portuárias russas. "A mancha já chegou à costa. As aves posam sobre o combustível e morrem", assegurou Aleksandr Dovgal, diretor-adjunto da filial da Corporação Portuária Russa em Tamansk, citado pela agência "Interfax".   Veja também: Após navios afundarem, Rússia tenta conter vazamentos Corpos de três marinheiros são encontrados no Mar Negro Cinco navios naufragam no Mar Negro e no mar de Azov   As autoridades locais mobilizaram cerca de cem pessoas para participar das tarefas de limpeza do combustível que vazou, estimado em 1.200 toneladas. Nas próximas horas uma equipe de especialistas sobrevoará de helicóptero o local para determinar a magnitude do acidente.   "Ainda não determinamos nem a ameaça ecológica nem a magnitude do vazamento, por isso é cedo para falar de prejuízos econômicos", acrescentou Dovgal.   O subdiretor do Serviço Federal de Proteção da Natureza da Rússia, Oleg Mitvol, afirmou no domingo que "as tarefas para restabelecer o estado ecológico do estreito levarão meses".   O Volga-Neft se partiu em dois na madrugada de domingo perto do porto russo Kavkaz, no estreito de Kerch. Os treze tripulantes do petroleiro sobreviveram ao acidente e foram resgatados horas depois.   Naufrágios   No domingo, ventos de até 100 km/h e ondas de cinco metros transformaram o porto em uma zona de catástrofe. Cinco embarcações naufragaram e quase vinte marinheiros estão desaparecidos.   Segundo o Ministério de Situações de Emergência da Rússia, as equipes de resgate encontraram nesta segunda perto da península russa de Tuzla os corpos de três tripulantes do navio Najichevan, que transportava enxofre.   Vários helicópteros e vinte navios de salvamento buscam outros cinco tripulantes do navio e das outras embarcações que naufragaram na região.     A tempestade diminuiu, assim como a força do vento, mas as autoridades aconselharam os navios a permanecerem em terra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.