Comissão Europeia pede que compromissos contra pobreza se tornem realidade

'Estou determinado a fortalecer a liderança da Europa em solidariedade global', garantiu comissária de Desenvolvimento

EFE,

17 de outubro de 2010 | 10h16

BRUXELAS - A Comissão Europeia (CE) fez neste domingo uma convocação para se transformar em "ações concretas" os compromissos contra a pobreza estipulados este ano na Europa.

 

Por conta do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, o Executivo comunitário lembrou que, embora a União Europeia (UE) seja formada por vários dos países mais ricos do mundo, mais de 84 milhões de pessoas estão ameaçadas pela pobreza. Por isso, o comissário de Emprego e Assuntos Sociais da CE, Laszlo Andor, destacou em comunicado a importância dos acordos para combater a pobreza pelos países que compõem a UE.

 

"A decisão de tirar pelo menos 20 milhões de pessoas da pobreza em 2020 envia uma forte mensagem que a União Europeia deve levar a inclusão social muito a sério", declarou. Andor lembrou que a Europa tem agora "objetivos concretos para cumprir e deve transformar esses compromissos em ações".

 

"Lutar contra a pobreza é uma responsabilidade compartilhada por instituições europeias, nacionais, políticas, agentes sociais, ONGs, imprensa, empresas e aqueles que a sofrem", completou. O comissário lembrou que, neste ano, a CE deve apresentar a Plataforma Europeia contra a Pobreza e a Exclusão Social, que contribuirá para implementar os objetivos e apontará como fazer o melhor uso de todos os instrumentos, métodos e recursos disponíveis".

 

O comissário de Desenvolvimento, Andris Piebalgs, destacou a necessidade de lutar contra a pobreza em escala "global" e lembrou que 1,4 bilhão de pessoas no mundo vivem sob extrema pobreza. "Estou determinado a fortalecer a liderança da Europa em solidariedade global", garantiu em comunicado, no qual lembrou que a redução e eliminação da pobreza é "o objetivo prioritário" da política europeia de Desenvolvimento.

Tudo o que sabemos sobre:
Europapobreza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.