Comparado com Obama, Berlusconi diz que é 'mais pálido'

Premiê volta a falar sobre cor da pele do americano; italiano manda desempregado procurar 'coisa para fazer'

Reuters e Efe,

26 de março de 2009 | 14h33

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, criticado no ano passado ao descrever o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, como "bronzeado", descartou nesta quinta-feira, 26, uma comparação de seus estilos de liderança ao dizer: "Sou mais pálido".

 

Opositores de esquerda acusaram Berlusconi de ser racista por falar que Obama era "lindo, jovem e também bronzeado", após ele ter sido eleito o primeiro presidente negro dos Estados Unidos, em novembro. Berlusconi, que tem 72 anos e é aliado do ex-presidente norte-americano George W. Bush, disse que críticas à sua declaração são ausência de bom humor. Respondendo ao comentário de um jornalista na quinta-feira sobre se sua resposta para a crise econômica o fazia parecer com Obama, Berlusconi disse: "Sou mais pálido, porque faz muito tempo que eu não tomo banho de sol. Ele é mais bonito, jovem e mais alto".

 

Em uma segunda declaração controversa, Berlusconi disse perder o emprego deve procurar "outra coisa para fazer", segundo a imprensa do país. O premiê deu tais declarações na cidade de Nápoles na noite de quarta-feira e tentou contorná-las hoje em um programa de televisão, no qual afirmou que, se perdesse seu trabalho, "não ficaria de braços cruzados, buscaria outro".

 

Berlusconi é conhecido nos círculos diplomáticos por fazer piadas inapropriadas. Ele causou um pequeno incidente diplomático em 2005 ao sugerir ter flertado com a presidente finlandesa, Tarja Halonen, para assegurar o apoio dela para que a Itália abrigasse a Autoridade Europeia de Segurança dos Alimentos. "Tive de usar todas as minhas táticas de playboy, mesmo que elas não tenham sido usadas por algum tempo," afirmou o premiê na época, o que levou Helsinque a questionar o embaixador italiano sobre o comentário.

Tudo o que sabemos sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.