Confusão na Parada Gay da Hungria deixa ao menos 8 feridos

Grupo de extrema-direita tentou impedir evento; em Londres, desfile gay reuniu milhares sem incidências

Efe e Reuters,

05 de julho de 2008 | 19h05

Ao menos oito pessoas ficaram feridas na tarde deste sábado, 5, na Parada do Orgulho Gay de Budapeste, na Hungria, em consequência das agressões de um grupo de extrema-direita. A polícia húngara teve que usar canhão de água, bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo para conter de o grupo que atirou bombas de gasolina e tentou impedir o desfile gay. Cerca de 45 pessoas foram detidas, segundo a porta-voz da polícia, Eva Tafferner.   Foto: Reuters   Três políticos do país que participaram do desfile também foram perseguidos após serem reconhecidos pelos radicais. "É uma vergonha que aconteça algo assim em um país centro-europeu", declarou a eurodeputada Katalin Lévai, após ser atacada junto ao ex-secretário de Estado Gábor Szetey, que há um ano assumiu ser homossexual.   Quando foram reconhecidos, no momento em que deixavam o local do desfile em um veículo policial, um grupo de extremistas atacou o automóvel, mas não conseguiu ferir ninguém, mesmo tendo quebrado o vidro de uma das janelas. "Foi chocante ver a chuva de ovos e pedras", disse Lévai.   Foto: Reuters   Por sua vez, o político liberal Gárbor Horn também foi atacado também perto do desfile, mas ele mesmo declarou depois estar bem, apesar dos golpes que recebera. Horas antes, tinham ocorrido alguns distúrbios quando manifestantes de extrema direita tacaram ovos, pedras e outros objetos nos homossexuais e nos policiais que faziam a segurança do evento na Praça dos Heróis de Budapeste.   Londres   Milhares de pessoas também participaram de um desfile pelos ruas do centro de Londres, no Reino Unido, para defender o orgulho gay. Sob o lema "Contos de fadas, mitos e lendas", o desfile reuniu milhares de homossexuais que percorreram as ruas da capital britânica até chegar a Trafalgar Square. Entre os políticos que apoiaram o evento estão a ministra britânica para a Igualdade, Harriet Harman, e o líder do Partido Liberal-Democrata (terceira legenda do país), Nick Clegg, que estiveram presentes ao local.   Foto: Reuters   Antes da passeata, o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, recebeu em sua residência oficial de Downing Street vários ativistas, entre eles o ator Ian McKellen, fundador do grupo Stonewall, que defende os direitos dos homossexuais.   Ao término do encontro, McKellen, famoso por seu papel de Gandalf no filme O Senhor dos Anéis, disse que a reunião com Brown foi muito importante. "Estou satisfeito porque escutou as preocupações expressadas pelo Stonewall, particularmente em torno da homofobia nas escolas, que ainda arruína muitas vidas jovens", disse o ator à imprensa britânica. Já o diretor-executivo da organização Ben Summerskill, ressaltou que Brown reconheceu a importância do "orgulho" para uma parte da população.   Foto: Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Parada gayHungriaReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.