Conselheiro de Brown renuncia após escândalo de e-mails

Mensagens, trocadas em janeiro, continham insinuações sobre a vida pessoal de opositores políticos

Agências internacionais

11 de abril de 2009 | 12h48

Um conselheiro próximo do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, renunciou neste sábado, 11, após um blogueiro tê-lo acusado de enviar e-mails difamando membros do Partido Conservador. Após protestos inflamados por parte da oposição, o gabinete de Brown anunciou que o premiê havia aceitado o pedido de renúncia de Damian McBride como seu conselheiro político e de mídia.

 

"É a visão do primeiro-ministro de que não há lugar na política para a disseminação ou publicação de material desse tipo", informou o gabinete em um comunicado. Os e-mails ainda não se tornaram públicos, mas a mídia britânica afirmou que devem ser publicados no domingo.

 

Com as eleições gerais 14 meses distantes, a temperatura política está subindo no Reino Unido, conforme o Partido Trabalhador de Brown se esforça para derrubar a liderança de sete pontos ou mais do Partido Conservador em uma pesquisa de opinião.

 

Nadine Dorries, membro da oposição, que disse estar ciente sobre sua menção nos e-mails, não ficou satisfeita com a renúncia de McBride. Ela exige uma desculpa formal do premiê com relação às mensagens, que Dorries descreve como falsas e difamatórias.

 

"Damian McBride ... era o braço direito do primeiro-ministro. É inaceitável o premiê alegar que não sabe de nada sobre isso", afirmou ela à BBC. O gabinete de Brown informou que nem o primeiro-ministro, nem mais ninguém em seu escritório tinha conhecimento sobre o assunto.

 

Paul Staines, que escreve em um blog político denominado Guido Fawkes, trouxe à tona a notícia sobre os e-mails, que foram enviados a Derek Draper, colaborador de um site que apoia o Partido Trabalhista.

 

Staines, que se recusou a dizer como obteve acesso ao conteúdo, disse à rádio BBC que as mensagens eram "obscenas e acima da linha do que é admissível na política". O gabinete de Brown em um primeiro momento informou que McBride se desculpou pela "natureza juvenil e inapropriada" dos e-mails, mas que falhou na tentativa de abrandar o alvoroço.

 

Desculpas

 

O gabinete do premiê britânico pediu desculpas pelos e-mails enviados. Segundo a CNN, o secretário Chris Grayling descreveu o vazamento de e-mail como "absurdo". Ele disse à Rádio BBC: "Estamos no meio da maior crise econômica em meio século. Isso é realmente o melhor Downing Street pode fazer?"

 

Um porta-voz da Downing Street se defendeu, afirmando que "nem o premiê nem ninguém na Downing Street sabiam sobre o conteúdos dos e-mails, exceto o próprio autor".

 

McBride, um conselheiro em Downing Street, foi afastado do seu posto lidar com os meios de comunicação social na sequência da demissão do ex-ministro dos Transportes Ruth Kelly, em setembro do ano passado. Ele permaneceu no governo em uma função diferente.

 

O caso mais recente de problemas de segurança de informações no governo britânico terminou com a demissão, na semana passada, de um chefe da polícia antiterrorismo, depois que ele foi fotografado chegando em Downing Street com um documento à mostra, revelando detalhes de um segredo nas próximas ações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.