Convenção de Genebra deve ser respeitada como nunca, diz UE

Tratado, que completa 60 anos, protege os civis, os mais afetados pelos conflitos armados, segundo o bloco

Associated Press,

12 de agosto de 2009 | 12h37

A União Europeia (UE) reiterou nesta quarta-feira, 12, a importância das Convenções de Genebra, que completa 60 anos. Em comunicado, a presidência sueca do bloco afirmou que é mais importante do que nunca garantir o respeito ao tratado, que protege civis em tempos de guerra.

 

De acordo com a UE, os civis continuam sendo as principais vítimas de confrontos armados no mundo. Para alcançar o respeito a estes acordos, o bloco recordou que deve haver um esforço para mobilizar a vontade política, impulsionar o direito internacional humanitário e assegurar que os culpados paguem por violar essas convenções, especialmente quando se tratar de atos considerados crimes de guerra.

 

"A liberdade, a democracia, o respeito pelo Estado de Direito, os direitos humanos e as liberdade fundamentais são a base da União Europeia", destacou o comunicado.

 

A Convenção de Genebra se comprometeu a seguir fazendo "todo o possível" para estabelecer a ordem internacional, na qual nenhum estado nem indivíduo está acima da lei, e no qual todos estão protegidos por ela.

 

Permitir a evacuação dos militares feridos, tratar corretamente os prisioneiros de guerra e proteger os civis, incluindo nos territórios ocupados, são as principais regras que reúnem as Quatro Convenções de Genebra. O tratado tem um dos maiores respaldos da comunidade internacional, assinado por 194 nações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.